Entendam

Deus não esta em templos, muros, placas, não! Ele esta dentro de você, NÃO somos pecadores desde que nascemos, isso é uma mentira, somos seres divinos e mágicos e temos essa essência masculina e feminina da fonte criadora dentro de cada um, não esta nas mãos de extraterrestres salvar o mundo, esta nas mãos dos seres que aqui habitam, o que eles podem fazer é auxiliar no processo, mas não virão aqui nos tomar pelas mãos como se fossemos bebês e nos DAR um planeta novinho em folha para destruirmos NOVAMENTE, ou aprendemos a tratar bem do nosso, ou seremos expulsos pela própria Terra.
Parem de buscar Deus em coisas materiais, se você não aprender a se respeitar, se amar, não vai encontrar Deus, vai se iludir, vai chorar, entrar em depressão e o pior não vai entender que a mudança começa de dentro para fora e que viver é um presente não um pecado ou castigo.
Como diria um anjo: "O amor é o sábio que nos guia" e como diria Gandhi " Não busque o caminho para a felicidade, a felicidade é o caminho."

Grande abraço a todos e Bem Vindos ao Life's Changing
Welcome - Bienvenido
Pri

DICA: ACESSEM AS ABAS "ARQUIVOS DO BLOG", TAMBÉM OS "MARCADORES" QUE ESTÃO EMBAIXO DO FIM DAS POSTAGENS OU "POSTAGENS POPULARES". TEM MUITA COISA SENDO POSTADA E QUE FICA PARA TRÁS SE VOCÊ NÃO SOUBER ONDE PROCURAR.
Bons estudos
Pri

Siga-nos por e-mail, a cada post novo, você recebe um e-mail

POSTS RECENTES

12 de novembro de 2011

A Cabala – Qabbalah

PARTE 2 DE 2


OBS. ASSISTAM A PARTIR DO MIN 00:59:00 DO VÍDEO QUE É A PARTE QUE EXPLICA A CABALA
É muito importante que assistam a esse vídeo.





continuando...



Kabbalah, A Cabala – Qabbalah, enfim existem muitas formas de escrever. Bem, o termo é interpretativo e a cada livro que lemos, uma nova denominação encontramos. Henri Sérouya em seu livro “A Cabala”, nos diz que a mesma é “Tradição”. No livro “A Cabala Prática” de Charles Fielding, lemos que se trata de “Aquilo que foi recebido”. No “Almanaque da Kabala” de Sigalith H. Koren, lemos que Cabala é “Receber, receber a luz”. No livro de Francisco Valdomiro Lorenz, “Cabala, a Tradição Esotérica do Ocidente”, lemos que o significado é “Transmitir”, e que provém do verbo hebraico Kabôl, que também se escreve: Qabbalah. Alan Richardson, na sua “Cabala Mística”, nos informa que a palavra Cabala deriva do hebreu “QBL”, que simplesmente se traduz em “Da boca para o ouvido”, ou seja, Tradição Oral. Na revista editada pela Editora 3 – Meditação, lemos que Kabala significa “O recebimento.”
A Cabala - Qabbalah
Como podemos observar, as designações são as mais variadas, mas todos convergem para uma única designação: Cabala é Tradição Oral, que hoje em dia já está enraizada nos diversos escritos e conceitos do judaísmo. Ela descreve a realidade muito além da percepção do dia-a-dia.
Não podemos falar de Cabala sem falar da “Árvore da Vida”, que é um diagrama que representa as forças operativas do Universo. Alan Richardson nos diz que assim como a Astrologia classifica o caráter humano em doze tipos distintos, a “Árvore da Vida” possui dez categorias essenciais em que as qualidades da vida podem ser divididas.
Não é nossa intenção estudar ou mesmo dissertar amiudamente sobre a complexa “Árvore da Vida”, mas é importante para o estudante de Numerologia Cabalística saber pelo menos os nomes hebraicos e suas respectivas traduções e características das esferas ou círculos, chamados SEPHIROTH, que significa “emanação”. A forma singular de sephiroth é sephirah.
Otz Chiim, a “Árvore da Vida”, é, na verdade, a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal. As sephiroth são dispostas em três triângulos, ficando o décimo círculo isolado embaixo, conforme mostra a figura abaixo.
Os triângulos são ligados entre si por vinte e duas linhas ou caminhos. A linha em ziguezague chamada “raio”, demonstra como a energia corre através da “Árvore”.
Os nomes das dez sephiroth e suas respectivas interpretações são:
1 – QUETHER (Ké-ther) – A Coroa, é o topo da Árvore e sugere as qualidades reais do Poder, Sabedoria e Justiça, e tudo o mais relacionado com o arquétipo da realeza. É também interpretado como onipotência, onisciência e a absoluta perfeição de Deus.
2 – HOCMAH (Hok-má, com o h aspirado) – Significa Sabedoria. Está no topo da coluna positiva, ou masculina.
3 – BINAH (Bi-ná) – Significa Compreensão e situa-se em oposição a Hocmah, no topo da coluna negativa, ou feminina.
4 – HESED (Hess-ed) – Significa Misericórdia ou Compaixão e relaciona-se com as forças construtivas.
5 – GUEBURAH (Gebb-u-rá) – Associa-se a Severidade, Força e Justiça. Ela quebra, destrói e tempera com a Justiça os vícios do excesso de indulgência de Hesed. É a força corretiva, no sentido mais elevado.
6 – TIFERET (Tif-a-ret) – Contrabalança as forças de Hesed e Gueburah. É a esfera central da Árvore e associa-se à Beleza, à Harmonia e ao Perfeito Equilíbrio.
7 – NETZAH (Nett-zac) – Significa Vitória.
8 – HOD (Hod, “o” fechado) – Tem analogia com a Glória. Hod é a esfera do Intelecto e Netzah a esfera da Emoção. Enquanto tal, Hod governa a magia cerimonial e ritual, ao passo que Netzah ocupa-se dos contatos com a Natureza e Elementais.
9 – IESOD (Yess-od, “o” fechado) – Significa a Base, a Fundação, e relaciona-se à mente subconsciente, que é o alicerce, ou fundação, de nossa personalidade e também se refere à substância etérica que é a fundação, ou o alicerce, da vida.
10 – MALCUTH (Mal-kut) – O Reino, o mundo físico. É a esfera final, absorvendo as qualidades das outras, e dando forma física às forças menos materiais. Malcuth não se relaciona a qualquer Elemento em particular, mas contém todos, porque todos os quatro elementos juntos são essenciais à existência de Malcuth.
A sephirah Oculta – DAATH, é a esfera pontilhada entre Quether e Tiferet. Ela constitui uma esfera à parte, e há muita polêmica sobre seu propósito e simbolismo.
Essencialmente, Daath é a ponte sobre o Abismo que separa a Divindade daquilo que não chega a ser exatamente divino. Daath significa Conhecimento – o conhecimento que só a experiência dá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário