Entendam

Deus não esta em templos, muros, placas, não! Ele esta dentro de você, NÃO somos pecadores desde que nascemos, isso é uma mentira, somos seres divinos e mágicos e temos essa essência masculina e feminina da fonte criadora dentro de cada um, não esta nas mãos de extraterrestres salvar o mundo, esta nas mãos dos seres que aqui habitam, o que eles podem fazer é auxiliar no processo, mas não virão aqui nos tomar pelas mãos como se fossemos bebês e nos DAR um planeta novinho em folha para destruirmos NOVAMENTE, ou aprendemos a tratar bem do nosso, ou seremos expulsos pela própria Terra.
Parem de buscar Deus em coisas materiais, se você não aprender a se respeitar, se amar, não vai encontrar Deus, vai se iludir, vai chorar, entrar em depressão e o pior não vai entender que a mudança começa de dentro para fora e que viver é um presente não um pecado ou castigo.
Como diria um anjo: "O amor é o sábio que nos guia" e como diria Gandhi " Não busque o caminho para a felicidade, a felicidade é o caminho."

Grande abraço a todos e Bem Vindos ao Life's Changing
Welcome - Bienvenido
Pri

DICA: ACESSEM AS ABAS "ARQUIVOS DO BLOG", TAMBÉM OS "MARCADORES" QUE ESTÃO do DO LADO DIREITO DA SUA TELA, AO LADO DA POSTAGEM
CLIQUE TAMBÉM EM "POSTAGENS POPULARES". TEM MUITA COISA SENDO POSTADA E QUE FICA PARA TRÁS SE VOCÊ NÃO SOUBER ONDE PROCURAR, ESTAS SÃO AS DICAS.
Bons estudos
Pri

Siga-nos por e-mail, a cada post novo, você recebe um e-mail

POSTS RECENTES

12 de novembro de 2011

A Cabala – Qabbalah

PARTE 2 DE 2


OBS. ASSISTAM A PARTIR DO MIN 00:59:00 DO VÍDEO QUE É A PARTE QUE EXPLICA A CABALA
É muito importante que assistam a esse vídeo.





continuando...



Kabbalah, A Cabala – Qabbalah, enfim existem muitas formas de escrever. Bem, o termo é interpretativo e a cada livro que lemos, uma nova denominação encontramos. Henri Sérouya em seu livro “A Cabala”, nos diz que a mesma é “Tradição”. No livro “A Cabala Prática” de Charles Fielding, lemos que se trata de “Aquilo que foi recebido”. No “Almanaque da Kabala” de Sigalith H. Koren, lemos que Cabala é “Receber, receber a luz”. No livro de Francisco Valdomiro Lorenz, “Cabala, a Tradição Esotérica do Ocidente”, lemos que o significado é “Transmitir”, e que provém do verbo hebraico Kabôl, que também se escreve: Qabbalah. Alan Richardson, na sua “Cabala Mística”, nos informa que a palavra Cabala deriva do hebreu “QBL”, que simplesmente se traduz em “Da boca para o ouvido”, ou seja, Tradição Oral. Na revista editada pela Editora 3 – Meditação, lemos que Kabala significa “O recebimento.”
A Cabala - Qabbalah
Como podemos observar, as designações são as mais variadas, mas todos convergem para uma única designação: Cabala é Tradição Oral, que hoje em dia já está enraizada nos diversos escritos e conceitos do judaísmo. Ela descreve a realidade muito além da percepção do dia-a-dia.
Não podemos falar de Cabala sem falar da “Árvore da Vida”, que é um diagrama que representa as forças operativas do Universo. Alan Richardson nos diz que assim como a Astrologia classifica o caráter humano em doze tipos distintos, a “Árvore da Vida” possui dez categorias essenciais em que as qualidades da vida podem ser divididas.
Não é nossa intenção estudar ou mesmo dissertar amiudamente sobre a complexa “Árvore da Vida”, mas é importante para o estudante de Numerologia Cabalística saber pelo menos os nomes hebraicos e suas respectivas traduções e características das esferas ou círculos, chamados SEPHIROTH, que significa “emanação”. A forma singular de sephiroth é sephirah.
Otz Chiim, a “Árvore da Vida”, é, na verdade, a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal. As sephiroth são dispostas em três triângulos, ficando o décimo círculo isolado embaixo, conforme mostra a figura abaixo.
Os triângulos são ligados entre si por vinte e duas linhas ou caminhos. A linha em ziguezague chamada “raio”, demonstra como a energia corre através da “Árvore”.
Os nomes das dez sephiroth e suas respectivas interpretações são:
1 – QUETHER (Ké-ther) – A Coroa, é o topo da Árvore e sugere as qualidades reais do Poder, Sabedoria e Justiça, e tudo o mais relacionado com o arquétipo da realeza. É também interpretado como onipotência, onisciência e a absoluta perfeição de Deus.
2 – HOCMAH (Hok-má, com o h aspirado) – Significa Sabedoria. Está no topo da coluna positiva, ou masculina.
3 – BINAH (Bi-ná) – Significa Compreensão e situa-se em oposição a Hocmah, no topo da coluna negativa, ou feminina.
4 – HESED (Hess-ed) – Significa Misericórdia ou Compaixão e relaciona-se com as forças construtivas.
5 – GUEBURAH (Gebb-u-rá) – Associa-se a Severidade, Força e Justiça. Ela quebra, destrói e tempera com a Justiça os vícios do excesso de indulgência de Hesed. É a força corretiva, no sentido mais elevado.
6 – TIFERET (Tif-a-ret) – Contrabalança as forças de Hesed e Gueburah. É a esfera central da Árvore e associa-se à Beleza, à Harmonia e ao Perfeito Equilíbrio.
7 – NETZAH (Nett-zac) – Significa Vitória.
8 – HOD (Hod, “o” fechado) – Tem analogia com a Glória. Hod é a esfera do Intelecto e Netzah a esfera da Emoção. Enquanto tal, Hod governa a magia cerimonial e ritual, ao passo que Netzah ocupa-se dos contatos com a Natureza e Elementais.
9 – IESOD (Yess-od, “o” fechado) – Significa a Base, a Fundação, e relaciona-se à mente subconsciente, que é o alicerce, ou fundação, de nossa personalidade e também se refere à substância etérica que é a fundação, ou o alicerce, da vida.
10 – MALCUTH (Mal-kut) – O Reino, o mundo físico. É a esfera final, absorvendo as qualidades das outras, e dando forma física às forças menos materiais. Malcuth não se relaciona a qualquer Elemento em particular, mas contém todos, porque todos os quatro elementos juntos são essenciais à existência de Malcuth.
A sephirah Oculta – DAATH, é a esfera pontilhada entre Quether e Tiferet. Ela constitui uma esfera à parte, e há muita polêmica sobre seu propósito e simbolismo.
Essencialmente, Daath é a ponte sobre o Abismo que separa a Divindade daquilo que não chega a ser exatamente divino. Daath significa Conhecimento – o conhecimento que só a experiência dá.