Entendam

Deus não esta em templos, muros, placas, não! Ele esta dentro de você, NÃO somos pecadores desde que nascemos, isso é uma mentira, somos seres divinos e mágicos e temos essa essência masculina e feminina da fonte criadora dentro de cada um, não esta nas mãos de extraterrestres salvar o mundo, esta nas mãos dos seres que aqui habitam, o que eles podem fazer é auxiliar no processo, mas não virão aqui nos tomar pelas mãos como se fossemos bebês e nos DAR um planeta novinho em folha para destruirmos NOVAMENTE, ou aprendemos a tratar bem do nosso, ou seremos expulsos pela própria Terra.
Parem de buscar Deus em coisas materiais, se você não aprender a se respeitar, se amar, não vai encontrar Deus, vai se iludir, vai chorar, entrar em depressão e o pior não vai entender que a mudança começa de dentro para fora e que viver é um presente não um pecado ou castigo.
Como diria um anjo: "O amor é o sábio que nos guia" e como diria Gandhi " Não busque o caminho para a felicidade, a felicidade é o caminho."

Grande abraço a todos e Bem Vindos ao Life's Changing
Welcome - Bienvenido
Pri

DICA: ACESSEM AS ABAS "ARQUIVOS DO BLOG", TAMBÉM OS "MARCADORES" QUE ESTÃO do DO LADO DIREITO DA SUA TELA, AO LADO DA POSTAGEM
CLIQUE TAMBÉM EM "POSTAGENS POPULARES". TEM MUITA COISA SENDO POSTADA E QUE FICA PARA TRÁS SE VOCÊ NÃO SOUBER ONDE PROCURAR, ESTAS SÃO AS DICAS.
Bons estudos
Pri

Siga-nos por e-mail, a cada post novo, você recebe um e-mail

2 de novembro de 2018

SINCRONICIDADE - EVOLUÇÃO E SEU GENES

by Deepak Chopra and Jordan Flesher
March-April 2015
from Collective-Evolution Website


Este artigo foi co-escrito por Deepak Chopra e Jordan Flesher
Deepak Chopra, MD é autor de mais de 80 livros com vinte e dois bestsellers do New York Times. Ele é o fundador da The Chopra Foundation e co-fundador do The Chopra Center for Wellbeing.
Seu último livro é, O 13º Discípulo: Uma Aventura Espiritual.Jordan Flesher oferece sessões para os interessados ​​em explorar, desenvolver e curar sua própria consciência e psicologia em um ambiente terapêutico. Jordan está na escola para ser um psicólogo. O tipo de trabalho que ele faz com os clientes é muito profundo e baseia-se na visão de que a terapia é uma arte. Como resultado, o trabalho é muito intuitivo, artístico e aberto ao mistério da consciência, sincronicidade, sonhos e energia. Seu trabalho é diferente da maioria das terapias psicológicas, na medida em que a maioria das terapias tenta fazer com que o indivíduo se conforme ou "se adapte" à sociedade, o trabalho de Jordan é fazer com que o indivíduo seja livre na sociedade e tenha acesso a uma rebelião criativa. dentro de si que ainda lhes permite funcionar e integrar-se na sociedade, não sendo escravo dela. Isto é baseado no dito dos antigos Sábios de que "estar no mundo, mas não pertencer á ele" é a mais alta forma de iluminação espiritual.

Parte 1  31 de março de 2015

Na última década, a busca por conexões genéticas com o comportamento se intensificou.
Para qualquer experiência, deve haver uma atividade física no cérebro - caso contrário, a experiência não tem base.
Usando essa suposição irrefutável, os pesquisadores procuraram a sede da raiva, o comportamento criminoso, a identificação de gênero, o senso de identidade e muitos outros aspectos da natureza humana. Isso inclui a espiritualidade.
Onde está Deus no cérebro? Para muitos neurocientistas, essa não é apenas uma questão válida, mas a única que vale a pena perguntar, na medida em que as experiências espirituais tenham alguma realidade.
Agora estamos ouvindo sobre "Deus nos genes", à medida que a genética ultrapassa a neurociência para o primeiro lugar na explicação das raízes da experiência humana.


Onde o cérebro opera apenas no presente, a genética perscruta o passado. Um geneticista gostaria de saber qual a vantagem evolutiva que os primeiros humanos conseguiram de ser espiritual - no sentido mais amplo da palavra - que levou a uma melhor chance de sobrevivência.
Toda essa linha de investigação, seja sobre o cérebro ou sobre nossos genes, faz sentido se você for materialista.


Mas corre o perigo de dizer que a espiritualidade é apenas sobre o lado físico da experiência, como se a música nunca pudesse ser discutida, exceto por olhar para pianos e rádios, o lado físico da entrega da experiência musical.

A explicação materialista está cheia de falhas filosóficas, mas, em vez de se concentrar nisso, é mais produtivo perguntar como o cérebro e os genes se relacionam com a experiência espiritual. O lado físico deve ser contabilizado, sem fazer a história toda.
Para explorar um novo tipo de explicação que abrange tanto o físico quanto o não-físico, vamos examinar uma experiência que a maioria das pessoas já teve. Sem experimentar Deus, anjos, a alma ou outras coisas tradicionalmente religiosas, quase todos tiveram pelo menos uma ou duas coincidências inexplicáveis ​​em suas vidas.
Sincronicidade é o termo comumente usado para uma coincidência significativa, como pensar no nome de alguém e fazer com que a pessoa telefone alguns segundos depois, ou abrir um livro aleatoriamente e encontrar a resposta para um problema com o qual você está lidando.
Sincronicidade não parece aleatória, que é como ela é diferenciada de coincidências que não têm significado, mas acontecem por acaso.
***Para mais sobre SINCRONICIDADE, CLIQUE AQUI, AQUI E AQUI

O elo espiritual envolve como explicar uma coincidência significativa.
Quando alguém é resgatado por meio de uma série de eventos aleatórios, Deus interveio?
Se um carro está encalhado ao lado da estrada e um estranho aparece do nada para oferecer ajuda, Deus está respondendo a uma necessidade ou a uma oração?

Eventos sem causas levam a todos os tipos de explicações incomuns.

O termo sincronicidade foi cunhado pelo eminente psicólogo suíço Carl Jung para um fenômeno que ele experimentou com clientes em psicoterapia.

Ele discutiu publicamente a sincronicidade em um breve ensaio descrevendo a sincronicidade como um "princípio de conexão acausal". Ao usar a palavra acausal, ele está apontando para a natureza não local da sincronicidade.
Resultado de imagem para taco bilhar bola gifA não localidade na física quântica é um dos seus principais princípios.
Não-localidade refere-se ao comportamento entre partículas que não precisam de uma causa ou localização específica no espaço-tempo. Acertar uma bola de bilhar com um taco envolve uma causa e um local. A localização é o ponto em que a ponta do taco atinge a bola. A força da batida é ​​a causa que move a bola.



Resultado de imagem para ação à distância fisica quanticaMas no domínio quântico existe um mistério conhecido como, ação à distância, onde duas partículas reagem umas às outras instantaneamente, mesmo que possam ser separadas por anos-luz. A ação ocorre sem considerar a distância ou a limitação da velocidade da luz. A ação à distância tem sido popularmente explicada como
"Você faz cócegas no universo aqui e ri lá."

Duas partículas que espelham o comportamento uma da outra são consideradas emaranhadas, embora o mecanismo por trás da ação à distância seja desconhecido.

O emaranhamento se encaixa no modelo matemático subjacente à mecânica quântica, e é isso que conta quando a física está chegando a cálculos confiáveis ​​e precisos.

No mundo cotidiano, no entanto, a não-localidade é sobre pessoas, não partículas. Faz parte da experiência humana ter uma coincidência significativa que parece muito profunda - ou muito assustadora - para parecer aleatória. Um materialista rigoroso descartaria tais sentimentos como não confiáveis ​​e subjetivos, mas "significativo" não é simplesmente subjetivo.
Encontrar significado em nossas vidas, de qualquer fonte, é essencial.
Então, como podemos encaixar a sincronicidade em um contexto mais amplo? A chave é conectar o interior e o exterior, porque a sincronicidade é sobre um evento "lá fora" que tem um significado súbito "aqui".

Para fazer a conexão, nove princípios se aplicam a coincidências genuinamente síncronas.

  1. Sincronicidade é uma conspiração de improbabilidades. Os eventos emaranhados quebram os limites da probabilidade estatística).
  2. Os eventos improváveis ​​que conspiram para criar o evento sincronístico estão totalmente relacionados entre si. (As tradições budistas chamam isso de co-surgimento interdependente. Isso é o equivalente da correlação não-local.)
  3. Os eventos sincronizados são orquestrados no domínio não local.
  4. À medida que nos tornamos conscientes dos eventos sincronísticos, nos movemos para estados de consciência mais elevados ou mais expandidos.
  5. Os eventos sincronizados são, na verdade, o resultado de uma intenção, que organiza o resultado necessário. (A intenção pode ter sido introduzida consciente ou inconscientemente.)
  6. Eventos sincronizados variam em importância. Eles podem parecer incidentais ou podem mudar o curso da vida de uma pessoa.
  7. Eventos sincronizados afetam nossas emoções da mesma forma que coincidências aleatórias não. Um evento síncrono cria a experiência de realização emocional e alegria.
  8. Eventos sincronizados nos permitem descobrir o significado e propósito de nossa vida.
  9. Eventos sincronizados são pessoais. Com efeito, são mensagens do nosso eu não local.

Juntos, esses princípios nos permitem receber pistas sobre a unidade essencial de duas realidades que parecem estar separadas:

  • o mundo interior de pensamentos, sentimentos, memórias, fantasias, desejos e intenções
  • o mundo exterior dos eventos espaço-temporais

O interior e o exterior são o mesmo campo, uma consciência não-dual que simultaneamente cria o mundo subjetivo e o mundo objetivo. Portanto, a sincronicidade não é simplesmente uma anomalia passageira que pode ser ignorada.

Algo crucial está acontecendo ...


Parte 28 de abril de 2015

Todos tiveram uma coincidência significativa em algum momento - o exemplo clássico é pensar no nome de alguém e no minuto seguinte a pessoa telefona, ou ver uma palavra incomum em sua mente e depois passar por essa palavra na próxima vez que abrir um livro.
É assustador que o mundo exterior possa ser sincronizado com o nosso mundo interior, mas a questão maior é sobre a própria realidade. Sincronicidade, o termo comum para coincidências significativas, não tende a mudar a vida de ninguém - mas poderia.

Em vez de repassar tais experiências como incidentais, e se a sincronicidade estiver nos dizendo algo crucial sobre a realidade, ligando os mundos interno e externo, porque, a longo prazo, eles estão completamente unificados? Se interior = exterior, uma tremenda mudança na visão de mundo materialista ocidental se seguiria.

Vamos ver até onde a trilha de pistas nos leva.

Nós já vimos que no mundo quântico o tempo e a distância não são propriedades fixas. Ambos são maleáveis ​​e, o que é mais importante, podem ser apagados.

Duas partículas separadas por anos-luz podem reagir imediatamente a mudanças de estado em um dos pares, de modo que a Parte A de alguma forma "conhece" o que está acontecendo com a partícula B instantaneamente, sem nenhuma conexão visível.
Imagem relacionada

Esse fenômeno, conhecido como não-localidade, é verificado na física, embora não possa ser explicado, calculado apenas como um aspecto-chave de equações altamente complexas.

A não-localidade precisa ser entendida em escala humana para ter algum significado na vida cotidiana. A sincronicidade faz exatamente isso: junta dois eventos que possuem conexões invisíveis.

Por exemplo, quando pessoas altamente bem-sucedidas são questionadas sobre como alcançaram seu sucesso, elas costumam dizer que elas eram de alguma forma a pessoa certa no lugar certo, não uma ou duas vezes, mas ao longo de suas carreiras.
Se eles são religiosos, eles dizem,
"Deus estava do meu lado."
A sorte é frequentemente invocada, mas a única coisa que você quase nunca ouve é que o sucesso deles foi aleatório.
Há uma grande lacuna entre o significado que experimentamos em nossas vidas e a aleatoriedade das explicações científicas. Vai além de um único exemplo de sincronicidade quando muitas coisas se encaixam perfeitamente, como se estar em sincronia substituísse a noção comum de causa e efeito.
Quando a ligação entre o interior e o exterior é forte o suficiente, a intuição atinge tão profundamente que o mundo das aparências se torna transparente, revelando uma estrutura subjacente que é perfeitamente organizada.

As experiências de unidade, que ocorreram em todas as culturas, deram origem às tradições de sabedoria do mundo. A partir dessa perspectiva, as tabelas são transformadas e o que é anômalo são eventos aleatórios.
Coletivamente, os sábios, videntes e místicos do mundo repetem as mesmas conclusões, que podem ser declaradas em termos seculares modernos como três princípios:


  1. O universo é consciente; portanto, a inteligência humana é um único afloramento em um campo infinito de inteligência. 
  2. A realidade funciona como um todo unificado. Tudo, desde partículas subatômicas a galáxias, opera como um só.
  3. Por ser senciente, o universo é construído como camadas de consciência que paralelam diferentes níveis de realidade. " O material da consciência" se transforma em ondas, partículas, planetas, seres vivos, o cérebro humano e além. 

Nossos sentidos estão sintonizados com a aparência das coisas físicas, mas se tivermos autoconsciência suficiente, a máscara do materialismo desaparece, e vemos a natureza invisível da realidade como ela realmente é, e não como ela aparece.

Ver o universo como mente em primeiro lugar e segundo em matéria é a posição de toda tradição espiritual; introduzir Deus é na verdade secundário, pois algumas tradições aceitam os três princípios sem precisar de um Deus pessoal para personificá-los.

Podemos dizer, então, que a sincronicidade nos eleva momentaneamente para um estado de consciência em que o universo é permeado por:
  • ordem
  • harmonia
  • beleza
  • verdade
  • amor
  • equilibrio
  • equanimidade
  • criatividade,

... e as outras qualidades essenciais para a consciência.

Os seres humanos não inventaram ou imaginaram essas qualidades. Nós as possuímos recorrendo a um reservatório infinito - sem introduzir a religião, entendemos por que onisciência, onipotência e onipresença são características inegáveis ​​de uma consciência onipresente que permeia o cosmos.

A evolução humana não é principalmente materialista, embora o registro fóssil sem dúvida nos dê os traços físicos de nossos ancestrais. O que esses traços físicos apenas sugerem, no entanto, é a progressão invisível da qual toda evolução depende.

Existem três princípios em ação aqui também.

  1. Formas simples evoluem para formas complexas.
  2. Conforme a complexidade avança, o mesmo acontece com a auto-organização.
  3. À medida que a auto-organização evolui, o mesmo acontece com a autoconsciência.

Esses princípios estão obviamente atuando na evolução humana, porque o cérebro do Homo sapiens é a entidade mais complexa na escada evolucionária.
Sua complexidade serve a um propósito, para organizar a sincronicidade quase infinita que liga bilhões de neurônios e trilhões de outras células a uma totalidade. E essa inteireza, tendo transcendido funções fisiológicas comuns a todas as formas de vida superiores (por exemplo, digestão, respiração, reprodução, cura) concentra suas energias na própria consciência.

A razão pela qual percebemos um momento de sincronicidade é que estamos olhando para um espelho.

Incapaz de ver com os nossos olhos a incrível sincronicidade que une trilhões de células em todos os momentos da vida, precisamos de reflexões externas para nos lembrar que as forças invisíveis que mantêm a realidade juntas estão constantemente presentes, mantendo o estágio mais elevado de evolução que existe hoje. a base para o nosso próximo passo evolutivo.

Na próxima parte, veremos como todo esse esquema é direcionado para tornar o universo um universo humano, não uma máquina física rodopiante, aleatória.

Parte 3
14 de abril de 2015


Duas visões do universo têm lutado entre si para explicar por que os seres humanos existem.

A primeira visão sustenta que os seres humanos não são especiais de forma alguma. Nós evoluímos através de eventos aleatórios que se acumularam ao longo do tempo, levando 13,7 bilhões de anos desde o Big Bang para chegar à estrutura mais complexa da criação, o cérebro humano.

Essa visão, estabelecida há muito tempo na física e na biologia, constrói a evolução na ausência da mente. A matéria veio primeiro e a mente emergiu muito tarde no jogo.

A visão conflitante, sustentada por toda tradição de sabedoria, afirma que a mente veio primeiro. O universo é um campo de consciência, que torna inevitável que criaturas conscientes evoluam com o tempo.

Usando nossa autoconsciência, os humanos reconhecem:


  • ordem
  • harmonia
  • beleza
  • verdade
  • amor
  • equilibrar
  • equanimidade
  • criatividade,

... e as outras qualidades essenciais para a consciência.

Ao longo de nossa evolução como espécie, passamos a incorporar essas qualidades.

Portanto, a ligação entre a humanidade e o universo é íntima, na medida em que a única criação que experimentamos é o cosmos humano.

Apesar do enorme prestígio da ciência, essas duas visões existem em igualdade de condições. A evidência para ambos é sólida. Nos dois posts anteriores desta série, nós tomamos um único exemplo, a sincronicidade, e mostramos como as coincidências significativas podem ser usadas para chegar ao mesmo princípio de não-localidade fortemente validado pela física quântica.
A geometria sagrada e o mistério da quadratura do círculo - www.yogui.co                                                                                                                                                                                 Mais
Trabalhando a partir da outra visão de mundo, o eminente físico britânico Sir Roger Penrose teorizou que a matemática, a linguagem essencial da ciência, é imbuída de um valor platônico como harmonia e simetria - esses atributos conferem à matemática sua beleza interna, reconhecida por todos os grandes matemáticos. inexplicável se você tentar dividir essa harmonia em pedaços reducionistas de informação.

Em ambos os casos, um traço significativo na composição da mente humana se torna um traço básico da natureza. A sincronicidade como uma experiência subjetiva e a simetria matemática como uma descoberta objetiva indicam que existe uma totalidade subjacente na natureza.

Por que, então, há algum desacordo sobre a compatibilidade das abordagens subjetiva e objetiva? A resposta mais óbvia é o hábito e a tradição.

O ponto de vista científico tem sido centrado no materialismo, na evolução darwinista, na aleatoriedade e na exclusão da subjetividade por um longo tempo.

Esse foco constante diz à maioria dos cientistas que eles devem estar certos, mas na verdade isso apenas mostra que um modelo de realidade pode continuar e persistir. Fora do laboratório, a experiência humana é medida em milênios, não em séculos, e é confiável.
Os aspectos mais confiáveis ​​são os seguintes:


Spirographe
  1. A realidade é muito complexa para ser submetida a modelos.
  2. Qualquer modelo explica apenas a parte da realidade que se ajusta ao modelo.
  3. Modelos ignoram o que está fora deles, porque eles têm que, permanecerem intactos.
  4. O que um modelo deixa de fora é tão importante quanto o que ele inclui.
  5. Por definição, um modelo não tem nada a dizer sobre o que não inclui.
  6. Sendo tão complexo quanto a própria realidade, a mente humana não pode ser modelada.
  7. Nada é real no mundo humano a menos que possamos experimentá-lo.
Esses sete pontos são indiscutíveis.

Os seres humanos não se inventaram ou se imaginaram. Eles surgem da lógica simples e pertencem a qualquer cosmovisão, incluindo a religiosa e a mística. Atribuir a criação a Deus ou ao Big Bang é logicamente consistente dentro de sua própria estrutura e logicamente falha fora dessa estrutura.
Um modelo de DNA, por exemplo, explica a estrutura das células vivas, mas não diz de onde veio a vida.

Uma história de origens sobre a vida é apenas isso, uma história. Da mesma forma, uma varredura do cérebro pode informá-lo sobre o disparo de neurônios em áreas específicas do cérebro, como o córtex visual.

Mas não diz nada sobre como a escuridão total dentro do cérebro produz a sensação de luz e cor.

Quando a física declara, como faz regularmente, que uma Teoria de Tudo é possível e um dia será alcançada, esse "tudo" é puramente material - explica as quatro forças subatômicas básicas da Natureza.

Uma definição razoável de "tudo" também teria que incluir a experiência humana - a busca por teorias, afinal, é em si uma experiência. Mas a Teoria de Tudo exclui a experiência humana e, portanto, constitui uma definição extremamente limitada de inteireza.

A inteireza é peculiar na medida em que é totalmente necessária para a nossa existência e, no entanto, completamente inconcebível. Sem o universo sendo exatamente o que é, até o ingrediente mais minúsculo, o cérebro humano não poderia ter evoluído.


No entanto, o cérebro humano não é um instrumento adequado para entender como cada elemento foi coordenado, por acaso ou por alguma consciência invisível, para chegar onde estamos em nossa evolução.

As surreais ilustrações e foto-manipulações de Max MitenkovO eminente físico Henry Stapp foi aluno de dois grandes pioneiros quânticos, Wolfgang-Pauli e Werner Heisenberg. Tapp lembra que, em conversas particulares, Heisenberg acreditava que seu arcabouço matemático fazia sentido, precisava ser o que ele chamava de "Mente Objetiva". Tal mente orquestra o cosmos, que é como a observação objetiva sugere tão fortemente que, por trás do aparecimento de eventos aleatórios, a realidade é auto-organizada, proposital e continuamente evolutiva. Por analogia, se Rembrandt fosse invisível, um observador externo veria seu pincel mergulhar aleatoriamente em uma paleta de cores, e ainda assim a imagem sendo produzida assume forma, forma e significado definidos. O próprio Stapp mantém uma visão originada por outro grande predecessor, John von Neumann, que "o estado do universo é um compêndio objetivo de conhecimentos subjetivos". Em outras palavras, os fatos coletados pela ciência são, ao mesmo tempo, subjetivamente experimentados. A "mente de Deus" surgiu no discurso científico de tempos em tempos - Einstein usou a frase - como algo mais que uma metáfora, mas menos que um fato comprovado. Aponta para uma fonte de potencial infinito a partir da qual o universo chama sua ordem e ao mesmo tempo a mente humana é capaz de reconhecer tal ordem. Se a totalidade é inconcebível e duas visões de mundo competem em pé de igualdade, surge uma questão. Em que ponto de vista as pessoas devem se manter em suas vidas diárias ...?

Tradução: Pri

Fonte: https://www.bibliotecapleyades.net/ciencia/ciencia_synchronicity24.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário