Entendam

Deus não esta em templos, muros, placas, não! Ele esta dentro de você, NÃO somos pecadores desde que nascemos, isso é uma mentira, somos seres divinos e mágicos e temos essa essência masculina e feminina da fonte criadora dentro de cada um, não esta nas mãos de extraterrestres salvar o mundo, esta nas mãos dos seres que aqui habitam, o que eles podem fazer é auxiliar no processo, mas não virão aqui nos tomar pelas mãos como se fossemos bebês e nos DAR um planeta novinho em folha para destruirmos NOVAMENTE, ou aprendemos a tratar bem do nosso, ou seremos expulsos pela própria Terra.
Parem de buscar Deus em coisas materiais, se você não aprender a se respeitar, se amar, não vai encontrar Deus, vai se iludir, vai chorar, entrar em depressão e o pior não vai entender que a mudança começa de dentro para fora e que viver é um presente não um pecado ou castigo.
Como diria um anjo: "O amor é o sábio que nos guia" e como diria Gandhi " Não busque o caminho para a felicidade, a felicidade é o caminho."

Grande abraço a todos e Bem Vindos ao Life's Changing
Welcome - Bienvenido
Pri

DICA: ACESSEM AS ABAS "ARQUIVOS DO BLOG", TAMBÉM OS "MARCADORES" QUE ESTÃO EMBAIXO DO FIM DAS POSTAGENS OU "POSTAGENS POPULARES". TEM MUITA COISA SENDO POSTADA E QUE FICA PARA TRÁS SE VOCÊ NÃO SOUBER ONDE PROCURAR.
Bons estudos
Pri

Siga-nos por e-mail, a cada post novo, você recebe um e-mail

POSTS RECENTES

12 de abril de 2016

Jung, a Sincronicidade e o Inconsciente Coletivo

As partes se relacionam com o todo, a corrente te detém e onde ela termina, é desconhecido. 
- Alexander Pope
An Essay on Man
O psiquiatra suíço Carl Gustav Jung (1875-1961) era amigo próximo e colega de Sigmund Freud. mas os dois teóricos pioneiros tiveram uma briga em 1914 por causa de diferenças pessoais e profissionais, notadamente pela rejeição da insistência cada vez mais dogmática de Freud e Jung sobre a primazia da libido. 
Antes de sua separação, os dois correspondiam com freqüência sobre a escola emergente da psicanálise. Um dos tópicos mencionados nas suas cartas foi ia ideia de Jung de sincronicidade, que na época não foi claramente definida.
Enquanto Freud principalmente ridicularizou a noção de sincronicidade, os interesses de longo alcance de Jung levou-o para o estudo da física quântica , fornecendo-lhe com fundamentos teóricos e empíricos sólidos para desenvolver o conceito. Jung também escreveu sobre encontros pessoais com a sincronicidade, outro fator que o obrigou a avançar esta ideia de vanguarda. 
A sincronicidade sugere que a mente e a matéria, bem como o passado, presente e futuro existem em um continuum espaço tempo significativamente ligados.
Implica também que as distinções diárias relativas ao meio ambiente, a causalidade e a crença no tempo linear são pressupostos historicamente específicos, em vez de verdades absolutas.

Por volta de 1950, Jung tinha delineado três tipos de sincronicidade:

  • A coincidência significativa a causal de um evento psicológico e um evento observável externo, podendo tanto ocorrer em torno do mesmo tempo. 
Este primeiro tipo de sincronicidade poderia ser ilustrado da seguinte forma: Você está dirigindo para casa e cerca de dois quarteirões e meio de seu destino, você começa a pensar em um amigo que não vê ha anos. Ao entrar pela porta da frente você descobre que o mesmo amigo que você tinha pensado, te telefonou e deixou uma mensagem na sua secretária eletrônica.
  • A coincidência significativa, a causal de um evento psicológico e um evento observável externo, este último tem lugar fora do alcance do indivíduo da percepção sensorial.
Este segundo tipo de sincronicidade é ilustrado pela visão bem documentada do cientista sueco e místico, Emanuel Swedenborg (1688-1772). Jung observa que Swedenborg interiormente viu um incêndio devastador que ocorreu cerca de 100 milhas de distância, em Estocolmo, representando o que os pesquisadores agora chamam de, a visualização remota.
  • A coincidência significativa causal de um evento psicológico interno, com um evento observável externo, este último tem lugar no futuro.
A galinha ou o ovo 
Jung diz que a sincronicidade implica numa relação causal entre a consciência do ego para o ambiente externo. A sincronicidade só acontece; ela não é causada por um único agente. Além disso, Jung adverte ativamente contra à procura de casos de sincronicidade, enfatizando a ideia de que a sincronicidade nunca é procurada e nem esperada, mas descobriu ao mesmo tempo, porém, que o ego consciente é guiado em direção a sincronicidades pelos arquétipos do inconsciente coletivo. Se isso parece confuso, o problema em parte pode ser atribuído a marca de Jung sobre da teorização e talvez à natureza um tanto misteriosa, sobre o tempo.
A questão da causalidade vs. acasualidade continua a ser debatida nos círculos acadêmicos, científicos e teológicos. 

Ilustrações 


A sincronicidade é causal ou acausal? A tomada de Jung sobre acasualidade pode ser confusa ...
  • Causal ou Acausal? 
    A tomada de Jung sobre a casualidade pode ser confusa. Quando conscientemente reconhecido pelo ego, a sincronicidade é supostamente um "princípio de conexão acausal." Mas Jung também diz que os arquétipos, como padrões primordiais do inconsciente coletivo, dirigi-nos à experiência de sincronicidade. Se observado a partir de um nível mais profundo, o arquetípico da consciência, a sincronicidade pode aparecer um pouco mais do que causal acausal. Estudiosos junguianos ainda debatem este paradoxo de casualidade / acausalidade aparente. 
    Talvez parte do problema decorre de diferentes crenças sobre a natureza da consciência. Algumas das perguntas relacionadas são: 
    Não percebemos a partir do ponto de vista do ego, os arquétipos do nosso eu? Eles são discretos ou conectados? Se eles se sobrepõem, como podem ser diferentes ou ponderados?
    As condições psicológicas e parâmetros influenciam a nossa percepção e interpretação? Assumindo que o ego é a realização elevada da consciência, nós já não nos identificamos com qualquer outra entidade? 
    E sobre as diferenças individuais? Pode qualitativamente diferentes pessoas ter diferentes centros ou normas de consciência? Que algumas pessoas podem ter várias normas alternadas de consciência, cada um tendo ( auto teoria múltipla, como encontramos em filosofia) uma diferente? 
    Os conceitos de Jung correspondem à realidade? 
    É a teoria junguiana moldada por pressupostos culturais europeus e norte-americano? 
    Em contraste, a teoria asiática de chakras indica sete diferentes centros de consciência.
  • Um exemplo de falsa sincronicidade: Um oficial de submarino alemão  na segunda guerra mundial, olha através do periscópio ...

    Falsa Sincronicidade



    Um oficial de submarino alemão na segunda guerra mundial, olha através do periscópio à noite em direção aos navios de guerra inimigos. A tripulação de um navio de guerra aliado que está nas proximidades, acredita que eles estão em águas seguras. Os pavimentos do navio são bem iluminados. O oficial do submarino alemão vê luzes do navio aliado através do periscópio, se reporta ao seu comandante que dispara um torpedo. O torpedo faz uma batida direta.
    Enquanto isso, o capitão do navio de guerra aliado se encontra em profundo sono em seus aposentos, que terrível sorte, nós batemos num iceberg. Ele observa com ironia pois tinha por umas pedras de gelo para colocar em sua dose de uísque no exato momento em que seu navio atingiu o que ele supunha ser um iceberg. 
    Para o capitão aliado, os cubos de gelo e o impacto do iceberg erroneamente imaginados, estavam casualmente conectados. Ele enviou uma mensagem de rádio ao comandante da base e conta a triste história. A transmissão de rádio é ouvida pelos oficiais dos submarinos alemães. Eles riem às gargalhadas. Eles sabem que não há iceberg.

  • Uma analogia para ilustrar como a sincronicidade poderia ser provocada por influências enganosas: Um homem solitário chamado Lorenzo visita uma cartomante: ...
    "Eu vejo um admirador secreto" 
    Um homem solitário chamado Lorenzo visita uma cartomante. Mas a cartomante é uma expert em escanear pessoas. Ela extrai todos os tipos de detalhes de Lorenzo, incluindo o seu endereço de casa. "Eu vejo amor por você em um futuro próximo. Um admirador secreto ... flores no correio ..." 
    Enquanto isso o marido da cartomante secretamente grava toda a sessão. Mais tarde, naquela semana o marido da cartomante dirige pela casa de Lorenzo no meio da noite e deixa cair uma flor com um bilhete "De um admirador secreto" em sua caixa de correio. 
    Lorenzo está impressionado e encantado. Ele retorna para a cartomante muitas e muitas vezes. 
    Nessa analogia, Lorenzo representa o ego levado a perceber uma sincronicidade artificial. A cartomante e seu marido são forças arquetípicas escuras. As forças arquetípicas manipulam as pessoas, fornecendo ao ego informações falsas, influenciando assim as suas escolhas (ego) de tal forma que, literalmente, trazem as sincronicidades. O ego enganado, no entanto, só vê ligações maravilhosas e surpreendentes acausais.
  • Uma analogia que ilustra como uma influência positiva poderia contribuir para a sincronicidade:
    Uma mulher chamada Annabelle sonha com um anjo bonito ...
    "Olhe para os dois lados" 
    Uma mulher chamada Annabelle sonha com um anjo bonito que diz: "sempre olhe para os dois lados antes de atravessar a estrada." A próxima manhã Annabelle está correndo para sua parada de ônibus, prestes a atravessar um cruzamento movimentado. Ela julga as velocidades de tráfego, ok tudo pronto para correr em frente à estrada. Vendo uma abertura no tráfego próximo, Annabelle começa a correr para ela. De repente, o anjo de seu sonho vividamente vem à mente e ela pára na linha central. Um carro em alta velocidade atravessa, como que do nada. Se Annabelle não tivesse parado na linha central, ela teria morrido. 
    Nesta analogia Annabelle representa o ego que percebe a sincronicidade. O anjo do sonho é uma força arquetípica positiva. A força arquetípica está ciente de possibilidades futuras. Ela fornece informações valiosas para o ego, de modo a contribuir para um resultado positivo.


Inferioridade / superioridade e Sincronicidade 

É essencial perceber que a sincronicidade é eticamente ambivalente.  A sincronicidade pode ser experimentada por santos, adoradores do diabo e pessoas insanas. Em casos de inflação psicológica, os indivíduos podem agir de forma terrivelmente cruéis, durante todo o tempo acreditando que eles tem dom especial de Deus para a humanidade. Na verdade, a sincronicidade pode ser extremamente perigosa quando experimentada por uma pessoa demente que a interpreta de modo a inflar o seu ego.
Em tais casos, o imodesto identifica com forças arquetípicas e adota um sentimento de superioridade falsa e destrutiva. Jung diz que esse tipo de auto-engrandecimento, muitas vezes surge quando complexos psicológicos não foram resolvidos.
Assim, um complexo de inferioridade / superioridade Adlerian pode ser reforçado pela experiência de sincronicidade.
 
O elitismo espiritual e Sincronicidade

Não se fala muito em sincronicidade na sociedade moderna.
E ela provavelmente não seria um grande tema nos coquetéis. É difícil saber se esse tabu surge do medo, da ignorância ou alguma combinação dos dois. Parece razoável dizer que não muitas pessoas experimentam a sincronicidade em uma base regular. Embora isso possa ser o estado das coisas na maioria e dos chamados países desenvolvidos, o escritor paranormal Colin Wilson põe a sabedoria convencional de cabeça para baixo, sugerindo que uma mente saudável, não um desviante, experimenta regularmente a sincronicidade.
De acordo com esta ideia, gurus, xamãs e santos de uma grande variedade de tradições espirituais afirmam viver em um estado quase permanente de sincronicidade. Poderia o sábio espiritualmente estar mais consciente e, portanto, em melhor sintonia com a sincronicidade do que o insensato? Eu mesmo, vejo esse tipo de pensamento levando a atitudes elitistas pouco saudáveis. 
Ao mesmo tempo, no entanto, é possível que uma forma de sabedoria seja caracterizada por uma aguda consciência da sincronicidade. Mas esta é uma questão complicada. Aqueles que afirmam ser sábios muitas vezes revelam-se perder na fantasia, na realização de desejo, paranoia, confusão, engano e erro. Isso não seria um grande problema se as pessoas erradas sempre mantivessem isso para si.
Mas muitas vezes ouvimos falar de figuras carismáticas arrogantes que parecem enganar, exploram e abusam de outros economicamente, sexualmente e às vezes é letal. 

A Promessa

Em uma nota mais otimista, a sincronicidade pode apontar para um plano divino dentro da Criação de Deus. É difícil saber se Jung teria visto desta forma. Mas na passagem bíblica de Isaias, ilustra esta perspectiva essencialmente teológica:
"Este meu plano não é algo em que você poderia trabalhar, nem os meus pensamentos são da mesma forma que o seu! Pois, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que o seu, e os meus pensamentos maiores que os seus." 
Em sua recente publicação, a ruptura do Tempo, O  estudioso Jung, Dr. Roderick Main escreve extensivamente sobre sincronicidade e suas implicações mais amplas:
A sincronicidade sugere que existem eventos sem causa, que a matéria tem um aspecto psíquico, que a psique pode relativizar o tempo e espaço, e que pode haver uma dimensão de significado objetivo acessíveis, mas não criada por seres humanos ... Se a psique pode relativizar tempo e espaço, em seguida, torna-se possível para eventos temporalmente e espacialmente distantes de alguma forma, envolver-se no aqui e agora, sem qualquer canal normal da transmissão causal. Se há uma dimensão de significado objetiva, isto implica que o significado que experimentamos nem sempre ou totalmente, são nossa criação subjetiva, individualmente ou como espécie, mas que podem ser tecidas em uma ordem de significado que transcende a nossa perspectiva humana.
Para resumir, eu tentei apresentar brevemente algumas das questões éticas e cosmológicas abordadas por Jung em sua exposição de sincronicidade.
Se sincronicidade parece um tanto obscura e talvez difícil, devemos tentar lembrar que é um conceito relativamente novo, que nos obriga a tomar um novo olhar sobre nós mesmos e nosso lugar no universo.
Considerando seu caráter recente, não é surpreendente que a ideia de sincronicidade deu origem a vários ramos da investigação, cada uma exigindo um maior desenvolvimento. 

Notas
1. O filósofo Gottfried Leibniz (1646-1716) também se refere a eventos mutuamente ocorridos. Em Monadology de Leibniz, a alma, corpo e toda a criação existe em uma "harmonica preestabelecida".Mas, para Leibniz a causa final da interconexão cósmica é a Vontade Divina de um Criador eterno, existente além e acima do tempo e do cosmos. Freud escreveu a Jung que a sincronicidade é só o produto de desejos, inconscientemente projetados. Em outra carta, no entanto, ele admite há uma "cooperação inegável do acaso." 

2.(A) Por exemplo, apesar de negar Jesus, Pedro ouviu o galo como previsto pelo seu mestre (Mateus 26:74). 
(B) Uma discussão justa e responsável da ideia, sem dúvida relativa de insanidade está além do escopo deste artigo. Mas talvez possamos definir provisoriamente insanidade como "tendo uma crença rígida na "verdade" de idéias, pessoas, objetos ou processos que são falsos, a ponto de perder a capacidade de fazer julgamentos razoáveis."
Esta definição é, naturalmente, problemática em que os chamados madpersons ( pessoas loucas ) podem ver ou acreditar em coisas que são existentes, significativas e verdadeiras, mas que são visíveis e compreensíveis apenas para si. E, para complicar, alguns filósofos falam de idéias imaginárias como tendo pelo menos uma subsistência, se não uma verdadeira existência. Veja William T. Blackstone,o problema do conhecimento religioso: The Impact of Contemporary  análise filosófica sobre a Questão de Conhecimento Religioso (NJ: Prentice-Hall, 1963), p. 12. 

3. A maioria dos conceitos de Jung são competência definida no Daryl Sharp s Jung Lexicon. 

4.(A) Veja a discussão em Aliens de 2007, sob os títulos Aliens, Psi e delírios de grandeza e discernimento espiritual: Influências Espirituais negativos (NSI).
extraiu-se a partir de

Psi e delírios de grandeza 
Arlan K. Andrews resume um número considerável de informações que sugerem que as habilidades psiquícas (por exemplo, ESP, clarividência) aumentam significativamente depois que uma pessoa encontra o que ele ou ela acredita que é um primeiro contato com ET / OVNI. Embora não seja adequadamente explorada, a literatura ET / OVNI, é concebível que as influências espirituais exploradas no assunto ufológico ou negativas IEN (Influências Espirituais Negativas) conferem habilidades paranormais particularmente em indivíduos psicologicamente vulneráveis, levando-os a desenvolver um estilo Adlerian de complexo de inferioridade / superioridade.
Pode ser relativamente fácil para uma pessoa vulnerável, ignorar questões pessoais dolorosas sobre ET / IEN e estar ocupada em alimentá-las ou seus outros pensamentos, falsas profecias e idéias delirantes sobre ser especial. Algumas pessoas parecem convencidas de que elas foram enviadas à Terra para cumprir o seu papel como governantes sagrados das massas ignorantes. Elas estão bastante dispostas a ignorar suas profecias falhas, desde que a sua bolha não estoure, o que resultaria em problemas pessoais dolorosos.


O discernimento espiritual: Influências Espirituais negativas (IEN) 
Enquanto a maioria das pessoas veem a falsa profecia em termos de um delírio ou doença mental, as tradições religiosas contemporâneas e antigas sugerem a abordagem talvez relacionada ao discernimento. Como o antropólogo IM Lewis ilustra em Ecstatic Religion (1971), santos, sábios e xamãs de todos os cantos do mundo concordam que a psique não é uma ilha. Isto pode ter um lado positivo. Figuras como St. Anthony, por exemplo, segundo as informações recebidas têm guiado indivíduos para artigos perdidos e crianças desaparecidas. Mas a abertura pessoal para ser guiado também tem um lado negativo. Muitos acreditam que a mente pode ser influenciada ou mesmo possuída por hackers espirituais, tradicionalmente considerados como demônios, almas e espíritos ancestrais. 
Alguns crentes IEN podem ser reacionários paranoicos. Mas é duvidoso que todos os que acreditam nos poderes espirituais do mal sejam paranoicos e iludidos. Ao longo destas linhas diferentes, tradições religiosas sugerem que IEN pode produzir alucinações e manipular indivíduos, parecendo prever aspectos do futuro. Assim, a IEN podia ver as possibilidades futuras, influenciar as escolhas de uma pessoa espiritualmente inclinadas e obrigá-la a aceitar uma falsa explicação de por que certos eventos ocorreram. A maioria de nós provavelmente já encontrou alguém com um complexo de inferioridade subjacente e / ou ferida psicológica não resolvida que desfila em torno de dizer aos outros que eles são santos. 
Para evitar esse tipo de cenário, é importante que as influências externas estejam meticulosamente discernidas. O discernimento é o uso da razão e a experiência juntamente com dons divinos para separar o verdadeiro e o falso na percepção interior. Como Henri Martin PSS coloca:

O carisma do discernimento é "uma espécie de instinto sobrenatural pelo qual aqueles que têm, percebem intuitivamente a origem, seja divina ou não, de pensamentos e inclinações que lhes forem apresentados." (J. de Guibert, Lecons, p. 306). É para ser distinguida da revelação dos segredos do coração, propriamente dita, feita diretamente por Deus. Em tais revelações, o que é extremamente raro, é a certeza objetiva e absoluta. No caso de discernimento, as possibilidades de erro encontram-se na interpretação subjetiva e utilização da luz sobrenatural recebida. Por falta de um carisma infuso, ordinariamente "Deus vai ajudá pela luz interior especial um dom do discernimento adquirido pela experiência e prudência na aplicação das regras tradicionais de discernimento."(Ibidem) 0,3 
Sobre a necessidade de os requerentes para ser sincero, humilde e racional no processo de discernimento, o estudioso do misticismo, Evelyn Underhill, diz: 
Êxtases, nada menos do que visões e vozes, devem, eles declaram, ser submetido a crítica impiedosa antes de serem reconhecidos como divino: enquanto alguns são, sem dúvida "de Deus", outros não são menos claramente 4 "do diabo". 
Dito isto, não há dúvida de que o conceito de ET / OVNI pode ser instigante. Ele aponta para uma tela mais ampla e possivelmente para a próxima etapa do caminho da humanidade na Terra. Como acontece com qualquer território novo e desconhecido, no entanto, seria imprudente agir por impulso cego. Aqueles que acreditam que interiormente percebem e, talvez, tem habilidades especiais a partir do fenômeno ovni, provavelmente faria melhor errar para o lado da cautela. Independentemente da sua origem, as percepções interiores e supostas habilidades psíquicas, deve ser sobriamente avaliada no espírito de humildade e, na maioria dos casos, dentro do contexto de associados informados e qualificados. Ao testar as percepções interiores dentro de um grupo maior de pessoas qualificadas e, no caso das previsões, face aos resultados efetivos, os erros de interpretação poderiam ser identificados e, com reflexão sóbria, redirecionado.Isto também pode envolver chegar a termos com questões pessoais e / ou informações incorretas que levam a erros de interpretação em primeiro lugar. 
Para examinar rigorosamente a pretensão da verdade não é uma ideia inovadora. É a essência do processo de 'discernimento', tal como é praticada na maioria das religiões do mundo e da "revisão por pares" da maioria das disciplinas científicas. E não há nenhuma razão para que as investigações ET e UFOlógicas não deve se esforçar para ser tanto espiritual e cientificamente responsável. Algo a mais corre o risco de cair no fanatismo e na fantasia.
(B) Jung e conceitos de Adler são anotados aqui para o bem do argumento. A ideia dos chamados "arquétipos" e ênfase de Adler em uma "vontade de poder" são muito debatidos dentro da psicologia e disciplinas relacionadas. 
5. A Bíblia Viva (Wheaton: Tyndale House, 1973) Isaías 55: 8-9 
6. Roderick Main, A Ruptura do Tempo (New York: Routledge-Brunner, 2004), p. 2.
Tradução: Pri
Fonte: http://www.bibliotecapleyades.net/ciencia/ciencia_synchronicity02.htm

7 comentários:

  1. Cara Pri,

    Muito boa essa postagem, ela ilustra de forma fabulosa as causas e efeitos da pusilanimidade!
    Aparentemente está falando de sincronicidade, entretanto vou mostrar que não, ela fala de potência!

    Jung foi um personagem sacador, ele percebia coisas, tinha insights, e isso era um sinal de uma voltagem um tanto superior à média, que na época era bem menos pusilânime que a borra humana atual. Naquele tempo órgão sexual não defecava! :-D
    Naquele tempo, remédios ainda eram panaceias herbais!
    E a quantidade de cadaver ingerida é muito mais baixa, visto que não existiam ainda as granjas em profusão, e mais de 90% da população ainda vivia no campo, ainda que foi no período de vida dele que as mais imundas farmacologias nasceram, a penicilina, os antidepressivos, os diazepínicos e outras imund´cieis que alavancaram as barbaridades fármacos de hoje em dia.
    Os alimentos ainda era relativamente naturais, havia pouco agrotóxico, isso foi alavancado pós segunda guerra e jung (ele morreu em 1963) não sofreu tanto com isso e nem seus conterrâneos. Sem me extender muito, a saúde dos humanos naqueles tempos era absurdamente superior a dos lixos atuais!

    Assim, ele tinha insights e isso é bom, mas era fraco, visto que os hábitos de práticas físicas naquele tempo eram para os "menores" os campônios, os "bárbaros", os menos intelectualizados.
    Uma agenda manipulativa que midiaticamente foi alavancada para garantir o surgimento da agenda atual que tinha que ser imposta de forma subliminar.
    Tanto é que as "madames" da época eram completamente frustradas, começava-se a alavancar a sexualidade feminina ao passo que os maridos dessas madames eram borra flácida, intelectuais e fleumáticos. O resultado foi muito chifre e desintegração do tecido familiar, foi o início da deformação da família em escala sem volta.
    As mulheres perderam o respeito pelos maridos, os amantes, varões rurais de peito desnudo (mais recentemente foram substituidos pelos encanadores e mecânicos trocadores de óleo) fizeram miséria nas cabeças fantaziosas de leitoras de gustave flaubert, com madames Bovary a ladys Chaterlley de h d laurence, calro todos esses "escritores" judeus e judaizados garantiram a agenda desmantelante. Como já disse a mídia da época não era menos insidiosa ou menos judia.
    Acho importante mostrar a agenda para me fazer entender mais fácil! :-D

    Voltando a Jung.
    Ele era fraco, não fazia exercícios, não tinha oxigenação a contento, entendia seu cachimbo pertinente.
    Daí para pegar os próprios insights e embaralhar tudo foi um pulo!
    Chegou ao ponto de adorar freud, um canalha total (deve ser coincidência ele ser judeu...) mas também com alguns insights.
    Chegou a acrediatar em ufologias tolas! Sem perceber que tal e qual sincronicidades, a vida existe EM TUDO, e tudo é alienígena para o tolo prepotente!
    Se existem infinitas temporalidades, e todas instantâneas, é evidente que alienígenas são todos os dessincrônicos! Visto que de outro tempo e vistos como de outros mundos, e realmente o são, assim como de outros tempos, a rasura da proposta é apenas um descalabro para que as pessoas não entendam que a percepção está em tudo e tudo inclui o conhecido, o desconhecido e o incognoscível!

    Continua

    ResponderExcluir
  2. Assim, Jung acabou achando que existia sincronicidade onde na verdade só existe A sincronicidade total!
    Tudo no mundo é sincronicidade, tudo anda sincrônico com tudo.
    O que acontece é que o pusilânime acha que é especial e que as especialidades (sincronicidades por exemplo) o fazem filhos do divino!
    É a síndrome do judeu! A crença estúpida de que é escolhido, também pode ser entendida como síndrome do filhinho de papai.
    O pusilânime não consegue entender que tudo acontece no aqui e agora e que invocar as "sincronicidades" é a vida em última análise, visto que sincrônicos são os fatos lineares, ou de outra forma, a vida seria feita por pulos dimensionais incompreensíveis para nossa baixa energia!
    Em um dado momento do texto há a citação de que existem insanos que se acham especiais por perceber sincronicidades, inclusive entendendo coisas ordinárias como sincrônicas, o que se visto sob a ótica pusilânime é verdade, mas também verdade se visto pelo possante!
    Logo a sincronicidade é diretamente proporcional a potência e a percepção da sincronicidade é diretamente proporcional ao ego!
    As vezes acho que vou ter que dar aula de psicologia! :´D :´D :´D

    Assim, no momento que o ser humano atinge um nível de energia ótima, toda essa tolice de se considerar cheio de "sextos sentidos" ou sacador das coisas vira mingau!
    Ele percebe que é um estúpido e que só a potencia o porá fora da estupidez perene.
    Ele entende que seres que vão morrer não tem tempo a perder e que cada instante conta, visto que pode ser o último, ele entende que se a vida é incerta e pode acabar a qualquer instante, entende também que perder tempo com qualquer coisa que não seja alavancar a potencia, cultivar a energia, é a mais abjeta estupidez!
    Ele entende que o academicismo e suas imbecis fórmulas são para mulas!
    Jung era fraco e vaidos demais para isso.
    Eu poderia dizer que ele o "filho" da psicanálise, tinha que batalhar contra o pai "freud" edipianamente para conqusitar a mãe, a própria sociedade!
    Como posso não ser imodesto! :´D :´D :´D

    Se Jung tivesse potencia não teria perdido tempo em decupar o óbvio, a sincronicidade de tudo com tudo!
    E mais uma vez afirmo, só a potência pode fazer a diferença nesse mar excremencial da sociedade patriarcal!
    Potentes, enxergamos onde a pusilânimidade guarda sua verdade, na miséria humana.

    Esse texto ilustra de forma perfeita o que é o entendimento na esfera frágil (social), mostra que mesmo fantásticos insights nas mentes pusilânimes só o que geram é arrogancia vazia!


    Fiquemos fortes então!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vapera! Vamos lá...
      Ando estudando muito sobre Jung e não vou fica defendendo a pessoa dele que nem conheci rs mas vou falar baseado no que minha percepção fala, estando ela potente ou não, felizmente ou infelizmente é essa que tenho e vou considera-lá. Buscando entender do seu ponto de vista onde tudo é potência, óbvio que tudo que vc disse faz sentido, porém, acho que talvez existam mais formas já que tudo é infinito inclusive as maneiras como o universo nos ajuda a entender as coisas e acho que Jung mesmo com seus hábitos, contribuiu muito quando o estudo é psicologia analítica, só que a minha percepção é que muito do que ele disse, ensinou, vem das próprias percepções dele, afinal ele é um ser humano como nós e buscava evoluir a si mesmos antes de querer evoluir os outros, todos somos assim mas poucos se dão conta, entendo eu que nosso self fala alto e mesmo quando não percebemos, ele fala e nosso caminho é em direção a melhorar a nós mesmos, nos atrasamos muito pois nosso ego tem uma puta força tbm, entretanto, conscientes ou não do nosso self não importa, o que importa é que sempre mesmo que atrasados, somos guiados a nos evoluir. Tenho ctz que vc discorda dessa minha percepção pois ela implica em dar um crédito ao que alguns chamam de outras vidas, mas que fique claro aqui que não vejo outras vidas com os olhos de um espirita, tbm tenho a minha percepção... Continua

      Excluir
    2. Tinha escrito um puta comentário e não foi, perdi, vou resumir o que tinha escrito.
      Para mim, Jung mesmo com seus hábitos que influenciaram na potência dele, contribui de forma ampla no assunto que se propôs, ele lidou com assuntos que não lidamos, a percepção dele enevoada ou não, é importante, mas tenho consciência que a percepção dele é muito mais dele do que minha e é a minha que na verdade importa pra mim no fim das contas, consciente de que as percepções das outras pessoas me ajudam a moldar a minha, tbm estou consciente de que aqueles que julgo inteligentes e que considero importantes, tbm precisam cuidar bem de si no sentido de potência da coisa para que tenha uma percepção mais clara do que se aproxima do que chamamos de "verdade". Como vc disse, só estando forte pra poder ter mais clareza nos insights e não ser enganados pelo nosso ego, nossos medos, nossa covardia.

      Excluir
    3. Cara Pri,

      Eu adoro isso! :-D
      Veja que houve sincronicidade em sua escrita!
      Perdeste o texto porque esqueceu de salvar, isso já aconteceu zilhares de vezes comigo! Faltou potência ou não!
      Pode ser que sim, se houve perda de funcionalidade e não se houve vantagem.
      Quando acontece comigo, entendo que não é para postar e não posto, ou está me dizendo que eu tenho que mudar a forma de escrever o tal texto!
      Isso é minha forma de usar das sincronicidades nessa questão!
      Veja que de forma alguma desprezei o Jung, ao contrário, li muito Jung e gosto dos insights dele.
      O que coloquei é que por não estar potente a contento, muitos dos insights dele foram perdidos com tolices, tanto é que ele nunca entendeu que quem morre não tem tempo para elucubrações, tem que se dedicar a ações!
      Veja que tinhas que escrever mesmo depois de perder o texto, pois sincrônicamente eu deveria responder com uma proposição mais ajustada.
      Observe que acreditar nos outros, sejam ets, divindades, ou até pessoas, implica em correr o risco de se estrepar por conta de agendas dos outros, que não são nossas agendas!
      Assim, a questão não é acreditar nos outros, é não acreditarmos em nós mesmos, ao ponto de preferirmos seguir os outros!
      E a única forma de nos bastarmos ao ponto de abdicarmos de posições, insights e considerações de outros é ficarmos fortes, ficarmos potentes!
      Não desconsiderando tudo o que colocastes, entendo que ainda procuras em outros apenas porque ainda não se basta por si mesma, isso não é errado, é apenas frágil.
      Para entender melhor, vou dar um exemplo:
      Quando se voa de avião, dependemos exclusivamente da competência do piloto e se esse estiver claudicante, dançamos, mas vale observar que o piloto depende da competencia dos mecânicos e engenheiros e se ele estiver fraco, não vai perceber que os mecânicos e engennheiros estavam fracos e fizeram burrada, vai dançar por erros alheios.
      Ao mesmo tempo, se estamos fortes podemos até confiar em nosso insight de que escolheremos a melhor hora de voar conjugando sincrônicamente todos esses fatores!
      Resumo da ópera, até para nos fiarmos nas qualidades alheias temos que ter potência, assim só o que importa é a potência!

      Quer mais sincronicidade do que isso!!! :-D

      Excluir
    4. Sim, essa é a questão, não acreditar nos outros, eu já passei da época de acreditar nos outros, aliás odeio a palavra "acreditar", o que eu quis dizer foi, ouvir as experiências alheias e ver até onde elas fazem sentido no intuito de entrelaçar tais experiências com perguntas que faço. Mas com certeza tbm estou ciente de que a minha percepção por vivência minha é a que vai contar no final das contas.

      Excluir
    5. Cara Pri, o que eu quis dizer foi que a potência é o que conta SEMPRE!
      Acreditar ou não é uma mera questão de preferência.
      Mas ter potência para acreditar ou não é o que conta.
      Se temos baixa potência até esperiências inúteis, como crenças reptilianas acabam contando, experiências dementes de arrebatamentoacabam contando.
      Mas se somos potentes a sincronicidade nos colocará só em contato com só com o necessário, o fundamental.
      Nada serve se não existe potência, e ao mesmo tempo tudo serve se a temos!
      Só o que conta é potência!
      O resto é tolice, é retórica inócua.

      Excluir