Entendam

Deus não esta em templos, muros, placas, não! Ele esta dentro de você, NÃO somos pecadores desde que nascemos, isso é uma mentira, somos seres divinos e mágicos e temos essa essência masculina e feminina da fonte criadora dentro de cada um, não esta nas mãos de extraterrestres salvar o mundo, esta nas mãos dos seres que aqui habitam, o que eles podem fazer é auxiliar no processo, mas não virão aqui nos tomar pelas mãos como se fossemos bebês e nos DAR um planeta novinho em folha para destruirmos NOVAMENTE, ou aprendemos a tratar bem do nosso, ou seremos expulsos pela própria Terra.
Parem de buscar Deus em coisas materiais, se você não aprender a se respeitar, se amar, não vai encontrar Deus, vai se iludir, vai chorar, entrar em depressão e o pior não vai entender que a mudança começa de dentro para fora e que viver é um presente não um pecado ou castigo.
Como diria um anjo: "O amor é o sábio que nos guia" e como diria Gandhi " Não busque o caminho para a felicidade, a felicidade é o caminho."

Grande abraço a todos e Bem Vindos ao Life's Changing
Welcome - Bienvenido
Pri

DICA: ACESSEM AS ABAS "ARQUIVOS DO BLOG", TAMBÉM OS "MARCADORES" QUE ESTÃO do DO LADO DIREITO DA SUA TELA, AO LADO DA POSTAGEM
CLIQUE TAMBÉM EM "POSTAGENS POPULARES". TEM MUITA COISA SENDO POSTADA E QUE FICA PARA TRÁS SE VOCÊ NÃO SOUBER ONDE PROCURAR, ESTAS SÃO AS DICAS.
Bons estudos
Pri

Siga-nos por e-mail, a cada post novo, você recebe um e-mail

26 de fevereiro de 2018

Carl Jung em "Lúcifer" "Anjos caídos" Nephilim - Antologia


A noção do Lúcifer caído significa que, um ser da luz caiu sob a lei da gravidade, que ele assumiu um corpo material. Na Divina Comédia de Dante, Lúcifer, com suas três cabeças no mais profundo abismo da Terra, é a contrapartida da Santíssima Trindade. ~ Carl Jung, seminário dos sonhos das crianças; Páginas 173-176.

Finalmente, como Lúcifer, fiel ao seu nome, ele é o portador da centelha da luz, que desceu através das esferas planetárias da mais alta luz para a matéria, procurando liberá-la como uma obra de salvação. ~ Carl Jung, seminário dos sonhos das crianças; Páginas 173-176.

A única coisa que realmente importa agora, é se o homem pode subir a um nível moral mais elevado, a um plano superior de consciência, para ter ou ser igual no que diz respeito aos poderes sobre-humanos que os anjos caídos têm jogado em suas mãos. ~ Carl Jung, Resposta a Jó, Parágrafo 746.

"Deus . . . Quer tornar-se homem e, para esse fim, ele escolheu, através do Espírito Santo, o homem criatura cheia de escuridão - o homem natural que está manchado de pecado original e que aprendeu as artes divinas dos anjos caídos. O homem "culpado" é eminentemente apropriado e, portanto, escolhido para se tornar o recipiente/vaso para a encarnação contínua, mas o que não se sente culpado e que se mantém distante do mundo e se recusa a pagar o seu tributo à vida, porque nele [o lado] negro de Deus não iria encontrar espaço." Carl Jung, Answer to Job, parágrafo 746.

Mas Deus, que também não ouve nossas orações, quer se tornar homem, e para isso escolheu, por meio do Espírito Santo, o homem criatura cheio de trevas - o homem natural que está manchado de pecado original e que aprendeu as divinas Artes e ciências dos anjos caídos. ~ Carl Jung, CW 11, Para 746.

O tema "da montanha do fogo" deve ser encontrado no livro de Enoch. Enoque vê as sete estrelas acorrentadas "como grandes montanhas e queimando como fogo" no lugar de punição dos anjos.

Originalmente, as sete estrelas eram os sete grandes deuses babilônicos, mas na época da revelação de Enoque se tornaram os sete arcontes, governantes deste "mundo", anjos caídos condenados ao castigo.

Em contraste com este tema ameaçador há uma alusão aos milagres de Jeová no Monte Sinai, enquanto segundo outras fontes o número sete não é de modo algum sinistro, uma vez que é na sétima montanha da terra ocidental que a árvore da vida - dá frutos e é encontrada, isto é, a árvore sapientiae (ver figura 188) ~ Carl Jung, Psicologia e Alquimia.

É notável que os anjos estão sempre no plural, um coro de anjos. Com exceção de Lúcifer, e dos arcanjos Gabriel e Miguel, os anjos não são indivíduos, aparecem em coros e multidões. Eles são essencialmente seres coletivos. ~ Carl Jung, ETH Lecture, 9 de fevereiro de 1940

Fonte: https://carljungdepthpsychologysite.blog/2017/05/24/carl-jung-on-lucifer-fallen-angels-anthology/

Segredos celestiais

Tirando proveito de nossas mulheres, os 200 anjos rebeldes gastaram seu tempo e comunica os segredos celestiais àqueles que tiveram os ouvidos para ouvir.



Dizem que um deles, um líder chamado Azazel, "ensinou os homens a fazer espadas, facas, escudos e couraças, e lhes deu conhecimento dos metais (da terra) e da arte de trabalhá-los" Indicando que os Watchers ( Vigilantes ) trouxeram o uso do metal à humanidade. Ele também instruiu-os sobre como poderiam fazer "braceletes" e "ornamentos" e mostrou-lhes como usar "antimônio", um metal quebradiço branco empregado nas artes e medicina.

Para as mulheres, Azazel ensinou a arte de "embelezar" as pálpebras e o uso de "todos os tipos de pedras preciosas" e "tinturas coloridas", pressupondo que o uso de maquiagem e jóias era desconhecido antes desta idade. Além desses crimes, Azazel foi acusado de ensinar às mulheres como desfrutar o prazer sexual e se entregar à promiscuidade - uma blasfêmia vista como "sem Deus" aos olhos dos narradores hebreus.

Outros Watchers (Vigilantes, anjos caídos ) foram acusados ​​de revelar a um tipo mortal o conhecimento de artes mais científicas, como a astronomia, o conhecimento das nuvens ou a meteorologia; Os "signos da terra", presumivelmente geodesia e geografia, bem como os "sinais", ou passagem, dos corpos celestes, como o sol e a lua. Seu líder, Shemyaza, é credenciado por ter ensinado 'encantamentos e estacas de raízes', uma referência às artes mágicas evitadas pela maioria dos judeus ortodoxos.

Um deles, Pnm-e, ensinava sobre "o amargo e o doce", certamente uma referência ao uso de ervas e especiarias em alimentos, enquanto instruía os homens sobre o uso de "tinta e papel", implicando que os Vigilantes apresentaram-no formas mais antigas de escrever. Muito mais perturbador é K Šsdejƒ, que é dito ter mostrado "os filhos dos homens todos os maldosos atrativos dos espíritos e demônios, e o golpe do embrião no útero". Em outras palavras ele ensinou as mulheres como abortar bebês.

Essas linhas relativas às ciências proibidas entregues à humanidade pelos Vigilantes rebeldes levantam toda a questão fundamental de por que os anjos deveriam ter possuído qualquer conhecimento de tais assuntos em primeiro lugar.

Por que eles deveriam trabalhar com metais, usar encantos, encantamentos e escrever; Embelezar o corpo; Empregar o uso de especiarias, e saber abortar um feto? Nenhuma dessas habilidades é o que se poderia esperar que os mensageiros celestiais de Deus possuíssem, a menos que fossem humanos em primeiro lugar.

Na minha opinião, essa revelação de conhecimentos e sabedoria anteriormente desconhecidos parece ser a ação de uma raça altamente avançada que passa alguns de seus segredos intimamente guardados a uma cultura menos evoluída que ainda se esforça para entender os princípios básicos da vida.

Mais desconcertantes foram as aparentes ações plenamente desenvolvidas dos Nephilim, pois diz:
"E quando os homens não puderam mais sustentá-los, os gigantes se voltaram contra eles e devoraram a humanidade. E começaram a pecar contra pássaros, animais, répteis e peixes, e falaram para que devorassem uns aos outros, e bebessem seus sangues." Então a terra acusou os iníquos.
Até agora os gritos de desespero da humanidade estavam sendo ouvidos, altos e claros pelos anjos, ou Vigilantes, que tinham permanecido leais ao céu. Um a um são nomeados por Deus para proceder contra os Vigilantes rebeldes e seus descendentes, os Nefilins, que são descritos como "os bastardos e os réprobos, e os filhos da fornicação". O primeiro líder, Shemyaza, é pendurado e amarrado de cabeça para baixo e sua alma banida para se tornar as estrelas da constelação de Orion.

O segundo líder, Azazel, é amarrado mão e pé, e lançado para a eternidade na escuridão de um deserto referido como D-dƒl. Sobre ele são colocadas "pedras ásperas e irregulares" e aqui permanecerá para sempre até o Dia do Julgamento, quando então, será "lançado no fogo" por seus pecados.

Por sua parte na corrupção da humanidade, os Vigilantes rebeldes são forçados a testemunhar a matança de seus próprios filhos antes de serem lançados em algum tipo de prisão celestial, vista como um "abismo de fogo".

Sete Céus
O patriarca Enoque então entra em cena e, por alguma razão inexplicável, é convidado a interceder em nome dos rebeldes encarcerados.

Ele tenta reconciliá-los com os anjos do céu, mas falha miseravelmente. Depois disto, o Livro de Enoque relata como o patriarca é carregado por anjos sobre montanhas e mares para os 'sete céus'.

Aqui ele vê multidões de seres angélicos observando estrelas e outros corpos celestes no que parecem ser um observatório astronômico. Outros tem pomares e jardins que têm mais em comum com um kibutz israelense do que um reino etéreo acima das nuvens. Em outro lugar no 'céu' é o Éden, onde deus plantou um jardim para Adão e Eva antes de sua queda - Enoque sendo o primeiro mortal a entrar neste domínio desde a sua expulsão.

Finalmente, durante a vida do bisneto de Enoque, Noé, o Grande Dilúvio cobre a terra e destrói todos os vestígios restantes da raça gigante.

Assim termina a história dos Watchers ( Vigilantes ).

Os Filhos de Deus

O que devemos fazer sobre o Livro de Enoque? Os relatos dele falam da queda dos Vigilantes e as visitas ao céu pelo patriarca Enoque, será que tem alguma verdade histórica?
Os eruditos diriam que não. Eles acreditam que é uma obra puramente ficcional inspirada no Livro do Gênesis, em particular duas passagens enigmáticas no Capítulo 6.
O primeiro, constituindo os versículos 1 e 2, diz o seguinte:
E sucedeu que, quando os homens começaram a multiplicar-se sobre a face da terra, e nasceram filhas, os filhos de Deus viram as filhas dos homens que eram justas; E as tomaram como esposas.
Por 'filhos de Deus' o texto se refere aos anjos celestiais, sendo o hebraico original bene ha-elohim.
No verso 3 do capítulo 6,
Deus prontamente pronuncia que seu espírito não pode permanecer nos homens para sempre e que, como a humanidade é uma criação de carne, sua vida será doravante abreviada para "cento e vinte anos".
Contudo, no versículo 4, o tom repentinamente volta ao tema original do capítulo, pois diz:

"Os nefilins estavam na terra naqueles dias, e também depois disso, quando os filhos de Deus viram às filhas dos homens, e lhes deram filhos: tornaram-se homens poderosos, os homens de renome."

Como o Pentateuco é considerado como tendo sido escrito por Moisés, o legislador em c. 1200 aC, supõe-se que as linhas de Gênesis 6 influenciaram a construção do Livro de Enoque, e não o contrário. Apesar dessa suposição óbvia por parte dos estudiosos hebreus, há ampla evidência de que muito do Gênesis foi escrito depois que os judeus retornaram do cativeiro na Babilônia durante o meio do século V aC.
Se este fosse o caso, então não há razão para que as linhas de Gênesis 6 não pudessem ter sido adulteradas por essa época. Na tentativa de enfatizar a imensa antiguidade do Livro de Enoque, o mito hebraico sempre afirmou que ele foi originalmente transmitido a Noé, bisneto de Enoch, depois do Grande Dilúvio, isto é, muito antes da compilação do Gênesis.
Esta reivindicação de precedência sobre o Pentateuco levou eventualmente o teólogo cristão Santo Agostinho (354-430 dC) a afirmar que o Livro de Enoque era demasiado velho (ob nimiam antiquitatem) para ser incluído no Cânon da Escritura!

Raízes dos Nephilim

Há outro enigma contido dentro das linhas de Gênesis 6, pois sua aparência encarna duas tradições inteiramente diferentes.

Olhe novamente as palavras do versículo 2. Eles falam dos Filhos de Deus chegando às Filhas dos Homens, enquanto em contraste o versículo 4 afirma firmemente:
"Os Nephilim estavam na terra naqueles dias e também depois disso, quando os filhos de Deus vieram às filhas dos homens' (grifo do autor) '.
E também depois disso ..."

O significado parecia bastante claro: havia duas tradições bastante separadas entrelaçadas aqui - uma relativa à raça caída conhecida pelos israelitas primitivos como os Nephilim (mencionados em outros lugares no Pentateuco como os progenitores de uma raça de gigantes chamada Anakim), e o outro relativo Os bene ha-elohim, os Filhos de Deus, que são equiparados diretamente aos Vigilantes na tradição Enoquina.
Os teólogos estão conscientes desse dilema e contornam o problema sugerindo que os anjos caíram da graça duas vezes - uma vez através do orgulho e depois novamente pela luxúria. Parece certo que o termo Nephilim era o nome hebraico original da raça caída, enquanto bene ha-elohim era um termo muito posterior - plausivelmente do Irã - que entrou em Gênesis 6 muito tempo depois de sua compilação original.

Apesar das contradições em torno de Gênesis 6, sua importância é bastante clara, pois preservou a firme crença entre os ancestrais da raça judaica que em algum ponto no passado distante uma raça gigante tinha governado uma vez a Terra.
Assim, se os Watchers ( Vigilantes, anjos caídos ) e os Nephilim realmente habitaram este mundo,
Então quem ou o que eram esses seres aparentemente físicamente?
De onde eles vieram?
Como eram eles?
Onde eles moravam e qual era seu destino final?
O Livro de Enoque era uma fonte vital de conhecimento em relação à sua existência anterior, mas eu precisava de mais - outros relatos menos manchados dessa aparente raça de seres humanos.

Então veio uma pausa importante.

A Conexão com o Mar Morto

Os eruditos hebreus tinham notado por muito tempo as similaridades entre alguns dos ensinos reacionários no livro de Enoch e os evangelhos de acordo com os Essenes - uma comunidade religiosa fundamental, contudo muito justa falada por eruditos clássicos como tendo existido nas costas ocidentais do mar marto.
Esta conexão foi reforçada depois de 1947, quando se percebeu que entre os Pergaminhos do Mar Morto, agora considerados como tendo sido escritos pelos essênios, haviam vários fragmentos de textos pertencentes a várias cópias do Livro de Enoque.
Até então, as únicas cópias completas do manuscrito disponíveis para o mundo literário tinham sido várias cópias escritas na língua escrita etíope de Ge'ez, a primeira das quais havia sido trazida de volta para a Europa pelo explorador escocês e conhecido Maçon James Bruce de Kinnaird Seguindo suas famosas viagens na Abissínia entre 1769 e 1772.

Não só os Pergaminhos do Mar Morto confirmaram a autenticidade do Livro de Enoque, mas também mostraram que a comunidade esenia de Qumran a mantinha em grande estima, o que talvez tenha estado por trás de sua construção original, em algum momento depois de 165 aC. Mais importante ainda, os eruditos hebreus também começaram a identificar vários outros trechos previamente desconhecidos de um "enoquiano"  entre o corpus do Mar Morto, e estes incluíram mais referências aos Vigilantes e seus descendentes, os Nephilim.
Muitos desses fragmentos individuais foram finalmente realizados pelos estudiosos do Mar Morto, J. T. Milik para serem extratos de um trabalho perdido chamado, Livro dos Gigantes. Anteriormente, isso só tinha sido conhecido a partir de referências isoladas em textos religiosos pertencentes aos maniqueístas, uma fé herótica gnóstica que varreu a Europa e a Ásia, até a China e o Tibete, a partir do século III dC.

O Livro dos Gigantes continua a história contada no Livro de Enoque, relatando como os Nefilins lidaram com o conhecimento de que sua iminente destruição se devia às impropriedades de seus pais, os Vigilantes.
Ler este trabalho antigo permite ao leitor uma visão mais compassiva dos Nephilim, que se deparam como espectadores inocentes em um dilema além de seu controle pessoal.

O rosto de uma víbora

No entanto, além deste tratado ainda muito fragmentário, outros textos Enochianos surgiram entre os Pergaminhos do Mar Morto que, na minha opinião, são também importantes. Um deles é o Testamento de Amram.

Amram foi o pai do legislador Moisés, embora qualquer cronograma bíblico para esta história seja irrelevante.
O que é muito mais significativo é a aparência dos dois Vigilantes que lhe aparecem em uma visão de sonho enquanto ele descansa em sua cama, pois, como o texto pesadamente reconstruído diz:
[Eu vi os Vigilantes] na minha visão, a visão de sonho. Dois (homens) estavam lutando por mim, dizendo ... e segurando uma grande disputa por mim. Perguntei-lhes,
"Quem és tu, que és assim empo sobre mim?" Eles me responderam: 'Nós fomos alimentados e governamos por toda a humanidade'. Eles me disseram: 'Qual de nós escolheu governar (você)?' Levantei os olhos e olhei.]
[Um] deles estava mudando sua aparência, [como um serpente...
[E olhei de novo], e ... em sua aparência, seu rosto parecia como uma víbora, até mesmo os seus olhos...
O texto identifica este último Observador como Belial, Príncipe das Trevas e Rei do Mal, enquanto seu companheiro é revelado como Michael, o Príncipe da Luz, que também é nomeado Melquisedeque, o Rei da Justiça.
É, no entanto, a aparência terrível de Belial que chamou minha atenção, pois ele é visto como aterrorizante, ao olhar e como uma "serpente", o sinônimo muito usado quando se descrevre tanto os Vigialantes e os Nephilim. Se o fragmento textual tivesse terminado aqui, então eu não saberia por que esse sinônimo havia sido usado pelo escriba judeu em questão.
Felizmente, no entanto, o texto continua dizendo que o Vigilante tinha um rosto, "como de uma víbora". Uma vez que ele também veste um manto com "muitas cores, ainda muito escuro", eu também tinha de presumir que ele era antropomórfico, em outras palavras, ele possuía forma humana.

Rosto como uma víbora ...

O que isso poderia significar?

Quantas pessoas você conhece que possuem um "semblante como uma víbora"?

Durante mais de um ano não pude oferecer nenhuma solução adequada a essa curiosa metáfora.

Então, por acaso, passei a ouvir algo em uma estação de rádio nacional que me forneceu uma resposta simples, embora completamente inesperada. Em Hollywood, Los Angeles, há um clube chamado Viper Room ( Quarto das víboras ). É propriedade do ator e músico Johnny Depp, e em outubro de 1993 ele bateu as manchetes quando o ator River Phoenix tragicamente morreu quando ele deixou o clube após uma noite de excesso e indulgência.
Na publicidade da mídia que inevitavelmente cercou este incidente relacionando com o uso de drogas, emergiu o Viper Room, que já havia ganhado esse nome muitos anos antes.
A história diz que antes dos músicos subirem no palco, prolongavam sua criatividade e concentração fumando grandes quantidades de maconha.
Aparentemente, os efeitos a longo prazo deste abuso de drogas, juntamente com períodos excessivamente longos sem comida e sono, faria com que seus rostos emaciados parecessem ocos e magros, enquanto seus olhos se fechavam para se tornar apenas fendas. Através da neblina de fumaça pesada, o efeito era fazer parecer que os músicos tinham rostos como víboras, daí o nome do clube.

Essa divertida anedota fez com que minha mente se enrolasse e me permitiu construir um quadro mental do que poderia parecer uma pessoa com um "semblante como uma víbora"; Seus rostos pareceriam longos e estreitos, com proeminentes maçãs do rosto, mandíbulas alongadas, lábios finos e olhos inclinados como os de muitos tipos raciais do Leste Asiático. Seria esta a solução de por que os Vigilantes e Nephilim eram descritos como serpentes andantes?
Parecia uma possibilidade, embora, também fosse possível que sua conexão serpentina relacionasse suas associações e capacidades mágicas acreditadas, talvez até mesmo seus movimentos corporais e aparência geral.

A aparência das penas

Outra referência importante à aparição dos Vigilantes, vem dos chamados Segredos do Livro de Enoch, também conhecido como Enoch 2, uma espécie de sequela da obra original escrita em grego e datado do século I dC.
A passagem refere-se à chegada inesperada de dois Vigilantes que enquanto Enoch descansa em sua cama:
"E me apareceu dois homens muito altos, como nunca vi na terra. E os seus rostos brilhavam como o sol, e os seus olhos eram como lâmpadas acesas; E de seus lábios brotava fogo. Seu vestido tinha a aparência de penas: ... [púrpura], suas asas eram mais brilhantes do que o ouro; Suas mãos mais brancas do que a neve. Eles ficaram na minha cama e me chamaram pelo meu nome."
A pele branca (ruddied "como vermelho como uma rosa"), estatura alta e radiantes faciais "como o sol" todos recorrem freqüentemente em conexão com a aparência de anjos caídos, no livro de Enoc e na literatura do Mar Morto.
No entanto, qual era essa referência ao fato de terem "aparência de penas"? Poderia se relacionar de alguma forma com o "manto" usado pelo Vigilante chamado Belial, que aparece na história de Amram, que foi dito ter sido "muito colorido, ainda muito escuro", precisamente o efeito que se poderia esperar de um casaco preto de penas, como as que pertencem a corvos ou abutres talvez?

Apesar do fato de que a arte cristã invariavelmente retratou anjos com asas, esta tradição remonta não mais do que o terceiro ou quarto século dC. Antes deste tempo, os verdadeiros anjos (querubins e serafins tinham vários conjuntos de asas) apareceram à semelhança dos "homens", uma situação que muitas vezes levou os tradutores textuais a acrescentar asas às descrições existentes dos anjos.
Isto tem sido quase certamente o caso no relato acima tomado no livro de Enoque 2, que foi re-copiado muitas vezes durante os primeiros anos do cristianismo.

Com esta observação em mente, eu senti que a afirmação relativa ao vestido dos Vigilantes tendo "a aparência de penas" era realmente reveladora. Parecia também uma visão excessiva da parte do escriba que transmitiu esta história em forma escrita, por ter adicionado asas à descrição dos dois "homens", por que se importar dizendo que eles usavam roupas de penas?
Certamente esta confusão entre asas e casacos de penas poderia ter sido editada para dar aos observadores uma aparência angélica mais apropriada.

Os Xamãs Pássaros

De alguma forma eu sabia que era uma chave á desvendar esse estranho mistério, pois sugeria que, se os Vigilantes tivessem sido humanos, então eles poderiam ter se adornado com roupas desta natureza como parte de seu vestido cerimonial.
O uso de formas totens, tais como animais e aves, sempre foi o domínio do xamã, o espírito caminhantes de comunidades tribais. Em muitas culturas primitivas a alma foi dito ter tomado a forma de um pássaro para fazer a sua fuga deste mundo para o próximo, razão pela qual é muitas vezes retratado como tal na arte religiosa antiga.
Essa ideia pode ter surgido da crença generalizada de que o voo astral só poderia ser alcançado usando as asas etéreas, como as de um pássaro, algo que quase certamente ajudou a inspirar a ideia de que os anjos, como mensageiros de Deus, deveriam ser retratados com Asas na iconografia cristã.

Para melhorar esse vínculo mental com o pássaro escolhido, os xamãs adornariam seus corpos com um pêlo de penas e passariam longos períodos de tempo estudando cada movimento. Eles iriam entrar em seu habitat natural e observar cada faceta de sua vida - seu método de fuga, seus hábitos alimentares, seus rituais de namoro e suas ações no chão. Ao fazê-lo, esperariam tornar-se como pássaros, uma personalidade alterada adotada numa base semi-permanente.
O xamanismo totêmico é mais ou menos dependente dos animais indígenas ou aves presentes na localidade da cultura ou tribo, embora em princípio o propósito tenha sido sempre o mesmo - usando este manto para alcançar a fuga astral, a iluminação divina, a comunicação espiritual e a obtenção de conhecimento e sabedoria de outro mundo.

Poderiam os Vigilantes e Nephilim terem sido homens-pássaros?

A resposta é quase certamente sim, pois no texto do Mar Morto intitulado o Livro dos Gigantes, os filhos Nefilins do anjo caído Shemyaza, denominados como 'Ahyƒ e' Ohyƒ, experimentam visões de sonho em que visitam um jardim do mundo e vêem 200 árvores sendo derrubadas por anjos celestiais.
Não compreendendo o propósito desta alegoria, eles colocaram o assunto no conselho de Nephilim, que nomeia um de seus membros, Mahawai, para ir em seu nome para consultar Enoque, que agora reside em um paraíso terrestre.
Para este fim Mahawai então:
[... se levantou no ar] como os redemoinhos, e voou com a ajuda de suas mãos como águia [alada] [...] sobre as terras cultivadas e cruzou a Solidão, o grande deserto, [...]. E ele viu a Enoque e chamou-o ...
Enoch explica que as 200 árvores representam os 200 Observadores, enquanto o corte de seus troncos significa a sua destruição em uma conflagração e dilúvio que vem. Mais significativo, no entanto, é o meio pelo qual Mahawai atinge vôo astral, pois ele é dito ter usado 'suas mãos como (a) [águia].
Em outro lugar no mesmo texto Enochiano Mahawai é dito ter adotado o disfarce de um pássaro para fazer uma outra viagem longa. Nesta ocasião, ele escapa por pouco de ser queimado pelo calor do sol e só é salvo depois de ouvir a voz celestial de Enoque, que o convence a voltar atrás e não morrer prematuramente - uma história que tem paralelos próximos com a fuga fatal de Ícaro muito perto do sol Na mitologia grega.

Além desta evidência, uma variação deste mesmo texto equipara os filhos de Shemyaza 'não (com) a ... águia, mas suas asas', enquanto na mesma respiração os dois irmãos são descritos como 'em seu ninho', declarações que Levou o estudioso hebraico JT Milik a concluir que, como Mahawai, eles também "poderiam ter sido homens-pássaros".

Esta foi a confirmação convincente de que os anjos eram originalmente uma cultura ou uma tribo que praticava uma forma de xamanismo de aves, talvez associada a um pássaro de carniça escura, como o corvo ou o abutre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário