Entendam

Deus não esta em templos, muros, placas, não! Ele esta dentro de você, NÃO somos pecadores desde que nascemos, isso é uma mentira, somos seres divinos e mágicos e temos essa essência masculina e feminina da fonte criadora dentro de cada um, não esta nas mãos de extraterrestres salvar o mundo, esta nas mãos dos seres que aqui habitam, o que eles podem fazer é auxiliar no processo, mas não virão aqui nos tomar pelas mãos como se fossemos bebês e nos DAR um planeta novinho em folha para destruirmos NOVAMENTE, ou aprendemos a tratar bem do nosso, ou seremos expulsos pela própria Terra.
Parem de buscar Deus em coisas materiais, se você não aprender a se respeitar, se amar, não vai encontrar Deus, vai se iludir, vai chorar, entrar em depressão e o pior não vai entender que a mudança começa de dentro para fora e que viver é um presente não um pecado ou castigo.
Como diria um anjo: "O amor é o sábio que nos guia" e como diria Gandhi " Não busque o caminho para a felicidade, a felicidade é o caminho."

Grande abraço a todos e Bem Vindos ao Life's Changing
Welcome - Bienvenido
Pri

DICA: ACESSEM AS ABAS "ARQUIVOS DO BLOG", TAMBÉM OS "MARCADORES" QUE ESTÃO do DO LADO DIREITO DA SUA TELA, AO LADO DA POSTAGEM
CLIQUE TAMBÉM EM "POSTAGENS POPULARES". TEM MUITA COISA SENDO POSTADA E QUE FICA PARA TRÁS SE VOCÊ NÃO SOUBER ONDE PROCURAR, ESTAS SÃO AS DICAS.
Bons estudos
Pri

Siga-nos por e-mail, a cada post novo, você recebe um e-mail

POSTS RECENTES

12 de julho de 2015

O Universo Holográfico - O Cérebro como um Holograma

Primeira Parte
A NOVA VISÃO EXTRAORDINÁRIA DA REALIDADE

Ante a um fato real, sente-se como uma criança pequena e prepare-se para abandonar qualquer ideia preconcebida, siga humildemente para onde quer que a natureza te leve, mesmo que seja ao abismo, que seja o que tiver de ser, ou não aprenderá coisa alguma.
º. HUXLEY

CAPÍTULO 1 - O cérebro como um holograma

Não é que o mundo das aparências esteja errado; não é que não haja objetos lá fora num nível real. É que, se você penetrar através do universo e contemplar de uma perspectiva holográfica, chegará a um ponto de vista diferente, uma realidade diferente.
E essa outra realidade pode explicar as coisas que até agora era cientificamente inexplicável: fenômenos paranormais, sincronicidade ou coincidência de eventos aparentemente significativos.
Karl Pribram, em uma entrevista em Psychology Today.

O enigma que encaminhou Karl Pribram para obter a formulação de seu modelo holográfico, foi a pergunta de, como e onde as memórias são armazenadas? 
No início dos anos de 1940, quando ele se interessou pelo mistério, pela primeira vez, acreditava-se geralmente que as memórias foram localizados no cérebro. Acreditava-se que cada memória (como a memória da última vez que viu sua avó ou a fragrância de uma gardênia que sentiu o cheiro aos dezesseis anos) tinha uma posição específica em algum lugar nas células cerebrais.
Estes traços das memórias foram chamados de engramas e embora ninguém sabia como eles foram feitos - se fossem neurônios ou talvez algum tipo de molécula - a maioria dos cientistas esperavam que fosse apenas uma questão de tempo descobrir.
Havia razões para justificar essa confiança. A pesquisa liderada pelo neurocirurgião Wilder Penfield nos primeiros vinte anos, havia produzido provas convincentes de que, memórias específicas ocupavam locais específicos no cérebro. Uma das características mais incomuns é que o cérebro não sente dor diretamente em si.
Sempre que o crânio e couro cabeludo são anestesiados com um anestésico local, você pode operar o cérebro de uma pessoa que está plenamente consciente, sem causar qualquer dor.
Penfield levou isso a uma série de experimentos. Ao operar o cérebro de pessoas com epilepsia, estímulos elétricos aplicados em diferentes áreas do cérebro. Ele descobriu surpreso que quando estimulados os lobos temporais (a parte do cérebro que está por trás das temporas), os pacientes que estavam plenamente conscientes, experienciaram memórias vívidas e detalhadas de episódios passados ​​de suas vidas.
Um homem de repente reviveu uma conversa que teve com alguns amigos na África do Sul; um menino ouviu sua mãe falar ao telefone e depois de vários toques o eletrodo foi capaz de repetir toda a conversa; uma mulher viu-se na cozinha e podia ouvir seu filho que jogava lá fora.
Mesmo quando Penfield tentou confundir seus pacientes dizendo que estava estimulando uma área diferente, mas que na verdade ele não estava estimulando, ele descobriu que tocando no mesmo ponto sempre evocava as mesmas memórias.
Em seu livro O Mistério da Mente, publicado em 1975, pouco depois de sua morte, escreveu:
"Em seguida, tornou-se claro que não eram sonhos. Foram ativações elétricas de registro seqüencial de consciência, um recorde que havia se formado durante a experiência anterior do paciente. O paciente "reviveu" todas as coisas que ele tinha tido conhecimento num período de sua vida como uma retrospectiva de cinema ".

Em sua pesquisa, Penfield concluiu que tudo que já experimentei é registrada no cérebro, desde a partir do rosto de um estranhos que você vislumbrou no meio da multidão, até as teias de aranha que as crianças observavam atentamente.
Pensava que era essa a razão para continuar surgindo tantas recordações de acontecimentos insignificantes. Se a memória é um registro completo de todas as experiências cotidianas e até mesmo a mais trivial, era razoável supor que uma incursão ao azar em acontecimentos cronicos de eventos maciços  tinha que produzir uma grande quantidade de informações insignificantes.
Pribram não tinha nenhuma razão para duvidar da teoria das engramas de Penfield como um jovem neurocirurgião. Mas então aconteceu algo que mudaria para sempre a sua maneira de pensar. Em 1946 ele foi trabalhar com o grande neurofisiologista Karl Lashley no Laboratório de Biologia Yerkes Primate, então situado em Orange Park, Florida.
Por mais de trinta anos Lashley tinha sido envolvido em uma busca incessante de mecanismos complicados subjacentes da memória e Pribram poderia ver em primeira mão os frutos do seu trabalho. Ele ficou surpreso ao descobrir como Lashley não tinha conseguido encontrar evidências de engramas, também parecia que sua pesquisa deixou no ar as descobertas de Penfield.
O que Lashley tinha feito, era treinar ratos em várias tarefas, como navegar por um labirinto, por exemplo. Depois ele removia cirurgicamente vários pedaços de cérebro e os testava novamente.
O seu objetivo era eliminar literalmente a área do cérebro contendo a memória e a capacidade de navegar pelo labirinto. Ele descobriu que ele não poderia erradicar e ficou surpreso, não importa o que cortasse. Ele foi prejudicado muitas vezes pelas habilidades motoras dos ratos que se deslocavam aos trancos e barrancos através do labirinto, mas as memórias permaneceram teimosamente intactas, mesmo quando ele tinham retirado enormes pedaços de cérebro.
Para Pribram, essas conclusões foram inacreditáveis.
Se as memórias ocupam posições específicas no cérebro da mesma maneira que os livros ocupam posições específicas nas prateleiras de uma biblioteca, porque não foram afetados pelos cortes cirúrgicos de Lashley?
Para Pribram, a única resposta parece ser que as lembranças não eram armazenadas em locais específicos no cérebro, mas foram prorrogadoas ou de alguma forma, distribuídas por todo o cérebro. O problema era que ninguém sabia o mecanismo ou processo que poderia explicar esse estado de coisas.
Lashley teve mais dúvidas ainda; logo depois ele escreveu:
"Às vezes, quando faço uma revisão dos dados sobre a localização das memórias, eu acho que a conclusão inevitável é que não se pode aprender nada, simplesmente. No entanto, apesar destes dados em sentido contrário, às vezes acontece. "
Em 1948, foi oferecida a Pribam uma posição na Universidade de Yale, mas antes de sair Lashley ajudou a passar a limpo sua pesquisa monumental de 30 anos.

A descoberta

Em Yale, Pribram continuou pesando na ideia de que as memórias são distribuídas por todo o cérebro, e quanto mais ele pensava nisso, mais ele se convenceu. 
Afinal, os pacientes que tiveram parte do cérebro removido por razões médicas, nunca sofreram perda de memórias específicas. Eliminando grande parte do cérebro poderia fazer a memória de um paciente tornar-se vaga em geral, mas ninguém nunca tinha saído de uma operação com uma perda de memória seletiva.
Da mesma forma, as pessoas que sofreram lesões na cabeça em colisões de trânsito e outros acidentes, nunca se esqueceram de pessoas da sua família, ou de um romance que tinham lido.
Mesmo a remoção de parte do lobo temporal (a área do cérebro que tinha desempenhado um papel tão importante na investigação de Penfield) criou um vácuo nas memórias de uma pessoa.

 ESPELHO divisor de feixe

FIGURA 1
Um holograma é produzido quando um feixe de laser é dividido em dois feixes separados.
A primeira é devolvida contra o objeto a ser fotografado, neste caso, uma maçã.
Em seguida, ele permite que o segundo feixe atinge a luz refletida a partir do primeiro,
e o padrão de interferência resultante é gravado na película.


As idéias de Pribram tornaram-se mais firmes quando não conseguiram nem ele e nem outros, duplicar os resultados de Penfield que estimulou o cérebro de pessoas que não eram epilépticas.
 Nem mesmo o próprio Penfiled conseguiu repetir seus próprios resultados em pacientes não-epilépticos.
Embora haja cada vez mais provas de que as memórias foram distribuídas, Pribram ainda não sabia como o cérebro poderia fazer tal façanha, aparentemente mágica. Então, em meados dos anos 1960, ele leu um artigo na revista Scientific American sobre a construção de um holograma e foi como um se tivesse dado um click nele. O conceito de holografia  parecia não só deslumbrante, mas também ofereceu a solução para o mistério com o qual ele estava tinha lutando para entender.
Para entender o entusiasmo de Pribram, você precisa entender um pouco sobre hologramas. Uma das coisas que torna possível a holografia é um fenômeno chamado de "interferência"
A interferência é um padrão de entrecruzamento que se produz quando se cruzam entre si duas ou mais ondas, tais como ondas de água. Por exemplo, quando se joga uma pedra em um lago, cria-se uma série de ondas concêntricas que se estendem para o exterior. Se você atira duas pedras em uma lagoa, dois conjuntos de ondas se estendem que passam uma através das outras.
A organização complexa resultantes dessas colisões é conhecida como "padrão de interferência".
Qualquer fenômeno de onda semelhante pode criar um padrão de interferência como ondas de luz e ondas de rádio. A luz do laser é particularmente boa para criar padrões de interferência, é uma forma de luz extremamente pura e coerente. Ela proporciona a pedra perfeita e a lagoa perfeita. Assim, hologramas, como os conhecemos hoje, não eram possíveis até o laser ter sido inventado.
Um holograma é produzido quando um feixe de laser é dividido em dois feixes separados. 
O primeiro deles é devolvido contra o objeto a ser fotografado. Em seguida, permite que o segundo feixe atinja a luz refletida a partir da primeira. Quando a colisão ocorre, um padrão de interferência é registado depois uma placa é criada. (ver Fig. 1) 
À primeira vista, a imagem não parece em tudo com o objeto fotografado. Na verdade, ele mantém uma certa semelhança com os anéis concêntricos que se formam quando um punhado de pedrinhas é jogado em uma lagoa. Mas, como outro feixe de laser através do filme (ou em alguns casos, simplesmente uma fonte de luz) se projeta, reaparece uma imagem tridimensional do objeto original. 
A tridimensionalidade de tais imagens é muitas vezes misteriosamente atraente. De fato, podemos caminhar em torno de uma projeção holográfica e vê-la de diferentes ângulos, como faria com um objeto real. No entanto, quando estendemos a mão tentando tocá-la, descobrimos que cruzamos a imagem com a mão e que não há nada na realidade.
A tridimensionalidade não é o único aspecto extraordinário do holograma.
 Se nós cortamos pela metade de um pedaço de filme holográfico contendo a imagem de uma maçã e iluminar com o laser, descobrimos que cada metade contém toda a imagem da maçã! E se dividirmos as duas metades de novo e de novo e de novo, ainda é possível reconstruir todo o bloco em cada pedaço de filme (embora as imagens tornam-se turvas como as peças serão menores).
 Ao contrário do que acontece em fotografias normais, cada pequeno pedaço de filme holográfico contém todas as informações registradas (ver Fig. 2).
FIGURA 2.
Ao contrário do que acontece com as fotografias normais,
cada parte de uma película holográfica contém todas as informações do todo.
Então, se quebrado em pedaços uma placa holográfica,
Você pode usar cada peça para reconstruir a imagem inteira.

Essa foi precisamente a característica que o animado Pribram forneceu como uma maneira de entender como elas foram distribuídos na memórias no cérebro, em vez de ocupar uma posição particular no mesmo. 
Se cada parte da chapa holográfica pode conter todas as informações necessárias para criar a imagem inteira, então deve ser igualmente possível que cada parte do cérebro contenha todas as informações necessárias para recordar uma memória inteira. 

A visão também é holográfica
As memórias não são tudo o que o cérebro pode processar holograficamente. 
Outra coisa que Lashley tinha descoberto, também foi os centros visuais do cérebro excisão cirúrgica surpreendentemente relutante. Depois de retirar até 90 por cento do córtex visual de um rato (a parte do cérebro que recebe e interpreta o que o olho vê), ele descobriu que os ratos ainda podem realizar tarefas que requerem habilidades visuais complexas.
Da mesma forma, a investigação realizada por Pribram, revelou que podem ser cortados até 98 por cento do nervo óptico de um gato sem a sua capacidade de realizar tarefas visuais complexas a sejam afetadas seriamente.
Tal situação levou a acreditar que os espectadores de um filme poderiam continuar a apreciar o filme, mesmo quando ficassem faltando 90 por cento desse filme; Uma vez mais, seus experimentos novamente se oporiam seriamente à compreensão do funcionamento normal da visão. De acordo com a teoria mais nova, em seguida, haveria uma correspondência de "um a um" entre a imagem que o olho vê e a forma como esta imagem se apresenta ao cérebro. 
Em outras palavras, acredita-se que quando vemos um quadrado, a atividade eléctrica do córtex visual também tem a forma de um quadrado (ver Fig. 3).
 



FIGURA 3
Antes os teóricos da visão, acreditavam que havia uma correspondência de "um a um "
entre a imagem que o olho vê e a maneira como esta imagem se apresenta no cérebro.
Pribram descobriu que não é verdade.

Embora parecia que as descovertas de Lashley tinham dado um golpe mortal a essa idéia, Pribram não estava satisfeito. 
Enquanto em Yale, ele desenvolveu uma série de experimentos para resolver o problema e passou os próximos sete anos medindo cuidadosamente a atividade elétrica do cérebro de macacos durante a realização de vários exercícios visuais. Ele descobriu que não só não havia nenhuma correspondência de "um a um ", mas não era mesmo um padrão reconhecível na seqüência na qual os eletrodos são ativados.
 Ele escreveu sobre suas descobertas:
"Estes resultados experimentais são incompatíveis com a opinião de que sobre a superfície cortical se projeta  uma imagem semelhante a uma imagem fotográfica."
Além disso, a resistência mostrando o córtex visual em comparação com a excisão cirúrgica indicou que a visão também foi distribuída no cérebro, como a memória; Pribram, quando soube da existência da holografia, começou a se perguntar se não seria também, uma visão holográfica. 
A verdade era que a propriedade do holograma que "tudo está em cada uma das partes" parecia explicar que poderia eliminar uma grande parte do córtex visual sem afetar a capacidade de realizar tarefas visuais. Se o cérebro processavas imagens usando uma espécie de holograma interno, um pequeno pedaço dele seria suficiente para reconstruir a totalidade que os olhos viam.
Também explicou o descasamento 'um a um  "entre o mundo exterior e a atividade elétrica do cérebro.
Além disso, se o cérebro utiliza princípios holográficos para processar a informação visual, havia uma correspondência de "um a um" entre a atividade eléctrica e as imagens visualizadas, ou tampouco havia entre o redemoinho os significados que formam os padrões de interferência no sentido uma placa holográfica e imagem nele codificado.
Tudo o que restava saber que tipo de fenômeno de onda o cerebro poderia estar usando para criar os hologramas internos. Enquanto Pribram considerava a questão, surgiu uma possível resposta. Sabe-se que as comunicações elétricas que ocorrem entre as células nervosas do cérebro, ou neurônios, não ocorrem isoladamente.
Os neurônios são como pequenas árvores com ramos; quando uma mensagem elétrica atinge o final de um desses ramos, irradia para fora como ondas num lago. A concentração de neurônios é tão densa que as ondas elétricas - um fenômeno de onda também na aparência - expande constantemente e se cruzam entre si. 
Pribram lembra que quando ele percebeu que certamente as ondas elétricas criam uma coleção caleidoscópica e quase infinita de padrões de interferência e estes por sua vez, poderiam ser o que deu ao cérebro, suas propriedades holográficas.
"O holograma tinha estado lá o tempo todo, no caráter de frente da onda conectando as células cerebrais - observou Pribram - e a gente não tinha tido inteligência suficiente para perceber."
Outros mistérios resolvidos pelo modelo holográfico do cérebro

Pribram publicou seu primeiro trabalho sobre a possível natureza holográfica do cérebro em 1966 e continuou a desenvolver e refinar suas idéias durante vários anos.
Enquanto outros pesquisadores descobriram suas teorias, ele percebeu que a natureza distribuída da memória e a visão não eram o único mistério neurofisiológico que poderia explicar o modelo holográfico.

A imensidão de memória
A holografia também explica como o cérebro pode armazenar tantas memórias em tão pouco espaço.

John von Neumann, um físico brilhante e matemático nascido na Hungria, uma vez calculou que, no curso de uma vida humana média, o cérebro armazena a ordem de 2,8 x 1020 (280.000.000.000.000.000.000) bits de informação . É uma quantidade incrível de informação; pessoas que investigam o cérebro têm dedicado muito tempo e esforço para chegar ao mecanismo e explicar a imensa capacidade.
O interessante é que os hologramas também possuem uma incrível capacidade de armazenamento de informações. Você pode gravar muitas imagens diferentes na mesma superfície, alterando o ângulo em que os dois lasers impressionam a película holográfica. Uma imagem assim registrada pode ser recuperada simplesmente através da iluminação do filme com um feixe de laser com o mesmo ângulo que os raios dos dois originais.
Estimou-se que, com este método,  2,54 cm2 de película pode armazenar a mesma quantidade de informação que cinquenta Bíblias!.

A capacidade de lembrar e esquecer

Filmes holográficos contendo várias imagens, como descrito acima, também fornecem um modelo para entender a nossa capacidade de lembrar e esquecer. 
Quando um destes filmes é realizada no meio de um feixe de laser e se inclina para a frente e para trás, contendo várias imagens que aparecem e desaparecem numa sucessão oscilante. Tem sido sugerido que a nossa capacidade de lembrar é como dirigir um feixe de laser em um filme como esse e trazer uma imagem em particular. 
Da mesma forma, não será capaz de se lembrar de algo equivalente, talvez, dirigindo vários raios em um filme com várias imagens sem conseguir encontrar o direito de interpor / evocar a imagem / memória estamos à procura.

Memória associativa

No livro de Proust, "Em Busca do Tempo Perdido", ele toma um gole de chá e dá uma mordida em um pequeno bolo em forma de vieira conhecido como uma madeleine petite que faz com que o narrador pareça repentinamente inundado de lembranças. 
No começo, ele fica intrigado, mas, em seguida, depois de um grande esforço, lentamente se lembra de que, quando criança sua tia costumava dar chá com bolinhos; esta associação foi o que refrescou sua memória. Todos nós já tivemos uma experiência semelhante - o cheiro de uma refeição a ser preparada, ou olhar para um objeto esquecido há muito tempo - que evoca de repente uma cena do passado.
O conceito holográfico oferece outra analogia com tendência associativa da memória. . Ilustrando isso com outro tipo de técnica de gravação holográfica:
Em primeiro lugar, solta uma luz de um único feixe de laser sobre dois objetos simultaneamente, sobre uma cadeira e um cachimbo.
Em seguida, faça com que a luz refletida em cada um dos objetos se colida uma com a outra, em seguida o padrão de interferência resultante na placa é recolhido. Então, sempre que as luzes de laser da poltrona refletetirem, uma imagem tridimensional do tubo aparece. E vice-versa: quando o mesmo é feito com o tubo, um holograma da cadeira aparece. 
Da mesma forma, se o cérebro opera holograficamente, um processo semelhante pode ser o que faz com que certos objetos fazem nos lembrar de recordações específicas do passado.

A capacidade de reconhecer as coisas que são familiares

À primeira vista, não pode parecer muito incomum a habilidade de reconhecer as coisas que nos são familiares; no entanto, faz muito tempo que os cientistas que investigam o cérebro, percebam que é uma habilidade bastante complexa.
Por exemplo, a certeza absoluta que nós sentimos quando reconhecemos um rosto familiar em meio a uma multidão de várias centenas de pessoas, não é apenas uma emoção subjetiva; Aparentemente, é causada por um tipo de processamento de informação extremamente rápido e fiável que ocorre no cérebro.
Em um artigo de 1970 na revista científica britânica Nature, físico Pieter van Heerden propôs uma espécie de holografia conhecida como "reconhecimento holografico" como um meio de entender essa capacidade.
Na holografia de reconhecimento, uma imagem holográfica de um objeto da maneira usual, com excepção para o fato de que os saltos de feixe de laser sobre um tipo especial de espelho, chamado "espelho de focagem" antes de que se permita gravar o filme não exposto à luz. Se um segundo objeto, semelhante ao primeiro, mas não idêntico, for banhado com luz laser e a luz se reflita no espelho e no filme, uma vez que tem sido revelado, um ponto luminoso de luz aparecerá no filme. 
Quanto mais brilhante e nítido do ponto de luz, maior será o grau de similaridade entre o primeiro e o segundo objeto. Se os dois objetos forem completamente diferentes, não aparece qualquer ponto de luz. Colocando um fotodetector sensível à luz por trás do filme holográfico, o computador pode ser utilizado como um sistema de reconhecimento mecânico.
Uma técnica similar chamado "holografia de interferência" também pode explicar como podemos reconhecer tanto a familiar como as características desconhecidas de uma imagem, como o rosto de alguém que há muitos anos não que vemos. A técnica é olhar para um objeto através de uma película holográfica contendo sua imagem.
Uma vez feito isso, qualquer característica do objeto que mudou desde que você gravou originalmente a imagem, vai refletir a luz de forma diferente. Olhando através do filme, é visto instantaneamente o que mudou no objeto e o que permanece o mesmo.
A técnica é sensível de modo que aparece imediatamente à pressão de um dedo sobre um bloco de granito; verificou-se que o processo tem aplicações práticas na indústria de materiais de teste.

Memória fotográfica

Em 1972, Daniel e Michael Pollen Tractenberg, cientistas da Universidade de Harvard que investigam a visão, sugeriu que a teoria do cérebro holográfico poderia explicar por que algumas pessoas têm uma memória fotográfica (também conhecido como "memória fotográfica").Pessoas com memória fotográfica passam o tempo vendo a cena que deseja memorizar. Quando você quiser ver a cena novamente, projete uma imagem mental dela, tanto com os olhos fechados, ou olhe para uma parede ou tela em branco.
Ao estudar uma dessas pessoas, um professora de arte na Universidade de Harvard chamada Elizabeth, Pólen e Tractenberg, descobriram que as imagens mentais projetadas eram tão reais para ela que quando ela leu a imagem de uma página de Fausto, de Goethe, seus olhos se moviam como se estivesse lendo uma página real.Notando que a imagem armazenada em um pedaço de filme holográfico se torna mais turva a medida que o fragmento se torna menor, Pólen e Tractenberg sugerem que talvez essas pessoas têm memórias mais vivas porque, de alguma forma, têm acesso a áreas muito grandes da memória holográfica e vice-versa: talvez a maioria de nós têm memórias vivas muito menores porque o nosso acesso é limitado a pequenas áreas de memória de holograma.

Transferência de competências aprendidas

Pribram acredita que o modelo holográfico também lança luz sobre a capacidade de transferir habilidades aprendidas a partir de uma parte do corpo para outra. 
Enquanto você está lendo este livro, reserve um momento e escreva o seu nome no ar com seu cotovelo esquerdo. Você pode achar que é relativamente fácil de fazer e ainda assim, é provável que você nunca tenha feito.
Apesar de não parecer uma habilidade surpreendente, sim, é um pouco enigmática, uma vez que, de acordo com a visão clássica, várias áreas do cérebro (tais como controlar os movimentos do cotovelo) são determinadas geneticamente, ou são capazes de executar apenas tarefas quando a aprendizagem repetitiva estabelece as conexões neurais apropriadas entre as células do cérebro. Pribram aponta que o mistério seria uma solução fácil se o cérebro convertese todas as memórias, incluindo memórias de habilidades aprendidas - como a escrita - em uma linguagem de formas de onda que possam interferir umas com as outras. Tal cérebro seria muito mais flexível e pode traduzir a informação armazenada com a mesma facilidade com a qual um pianista experienta e move uma música de uma escala musical para outra. Essa mesma flexibilidade pode explicar por que somos capazes de reconhecer um rosto familiar, independentemente do ângulo a partir do qual você o vê.
O cérebro, uma vez memorizado o rosto (ou qualquer outro objeto ou cena) e traduzidos para uma linguagem de formas de onda, você pode bater o holograma interior, por assim dizer, e examiná-lo a partir da perspectiva que você quer.

Sensação de membros fantasmas ( membros apuntados ) e como mentalmente construir um "mundo lá fora"

Para a maioria de nós, é óbvio que o sentimento de amor ou raiva, fome, etc, são realidades internas, e que o som de uma orquestra tocando, o calor do sol ou o cheiro de panificação, são realidades externas .
No entanto, o que é menos claro é como o cérebro nos permite distinguir entre os dois. Por exemplo, de acordo com Pribram, quando olhamos para uma pessoa, sua imagem esta na verdade, sobre a superfície das nossas retinas e ainda assim, a percebemos como se estivesse na retina. Vemos essa imagem como se ela estivesse num " mundo lá fora."
Da mesma forma, quando batemos o dedo grande do pé, sentimos dor no dedão do pé e, no entanto, a dor não existe na realidade. É um processo neurofisiológicos que acontece em algum  lugar no cérebro.
Então, como pode o cérebro tomar muitos processos neurofisiológicos que se manifestam como uma experiência nossa que mostra que todas elas são processos internos e enganosamente nos faz acreditar que alguns são internos e outros estão localizados além dos confins da nossa massa cinzenta?
Criar a ilusão de que as coisas estão localizadas onde não estão é a característica essencial do holograma. Como já mencionamos, quando olhamos para um holograma nos parece ter uma extensão no espaço, mas se passármos a mão aptravés dela, descobrimos que não há nada. Apesar do que os sentidos nos dizem, nenhum instrumento vai coletar a energia ou a presença de qualquer anormalidade no local onde o holograma é substância aparentemente flutuante.Isso ocorre porque o holograma é uma imagem virtual, uma imagem que parece estar onde não está e não tem extensão no espaço tridimensional da imagem que nós vemos de nós mesmos quando olhamos no espelho. Tal como a imagem no espelho está localizada no mercúrio cobrindo a superfície posterior do espelho, a situação real de um holograma está sempre na superfície de emulsão fotográfica dos registos película.
Georg von Bekesy, fisiologista ganhador do Prêmio Nobel, fornece outra prova de que o cérebro é capaz de nos enganar em acreditar que os processos internos têm lugar fora do corpo.
Em uma série de experimentos realizados no final dos anos 1960, Bekesy colocou vibradores sobre os joelhos das pessoas que participaram do experimento e vendou os olhos dos participantes. Em seguida, variou a frequência da vibração dos instrumentos. Com isso ele descobriu que podia fazer com que as pessoas em teste tivessem a sensação de que o ponto onde a vibração se originava e saltava de um joelho para o outro. Além disso, ele descobriu que podia fazer com que sentissem  o ponto de origem da vibração, que era no espaço entre os dois joelhos. Em suma, ele demonstrou que os seres humanos parecem ser capazes de experimentar sensações em pontos no espaço onde eles não têm receptor sensorial.
De acordo com Pribram, o trabalho Bekesy apoia a visão holográfica e lança luz adicional sobre a forma como as frentes de onda que causam interferência - ou fontes de interferência de vibrações físicas, no caso de Bekesy - permitem o cérebro localizar experiências fora dos limites físicos do corpo.Segundo ele, esse processo também pode explicar o fenômeno do membro fantasma, ou a sensação de que algumas pessoas experiênciam tendo membros amputados como a perna ou o braço, mesmo tendo amputado, ele sentem que os membros estão presentes. Muitas vezes, essas pessoas sentem cãibras, formigamento estranhamente realista desses apêncides fantasmas; mas talvez estejam experimentando a memória holográfica do membro, que ainda está registrado nos padrões de interferência de seus cérebros.

Suporte experimental para o cérebro holográfico

Embora Pribram tenha provado muitas semelhanças entre o cérebro e o holograma, ele sabia que sua teoria não significaria nada, a menos que você tenha o apoio de evidência mais sólida.
O pesquisador que forneceu tal prova foi Paul Pietsch, um biólogo da Universidade de Indiana. Curiosamente, Pietsch começou sendo descrente e agressivo com relação à teoria de Pribram. Ele se mostrou cético no que diz respeito especificamente à alegação de que as memórias não ocupam uma posição específica no cérebro. Para provar que Pribram estava errado, Pietsch projetou uma série de experimentos e escolheu salamandras como testes do mesmo. Ele havia descoberto em estudos anteriores, que poderia remover o cérebro sem matar uma salamandra e, embora a salamandra permanecia em um estado de estupor ao faltar o cérebro, o comportamento voltou a ser completamente normal, uma vez que a reabastecia. Seu raciocínio era que, se o comportamento alimentar de uma salamandra não foi localizado em qualquer lugar específico no cérebro, não importa a posição do cérebro na cabeça. Se Importasse, mostraria que a teoria de Pribram estava errada. Em seguida, ele mudou os hemisférios direito e esquerdo do cérebro de uma salamandra, mas descobriu consternado que a salamandra se recuperou rapidamente e retomou sua dieta normal.
Ele tomou outro cérebro de outra salamandra e virou de cabeça para baixo. Quando se recuperou, ela também foi alimentada normalmente. Cada vez mais frustrado, ele decidiu recorrer a medidas mais drásticas. Em uma série de mais de 700 operações, cortar cérebros, sacudi-los e embaralha-los, diminui-los e até mesmo pica-los, mas quando ele substituiu o que restava do cérebro na cabeça de seus súditos infelizes, o seu comportamento sempre foi de voltar ao normal.
Estas e outras descobertas levaram a Pietsch a acreditar na teoria de Pribram e cresceu bastante atenção por sua pesquisa que tornou-se tema em um programa de televisão de 60 minutos. Ele responde que a experiência em seu livro Shufflebrain, foi um trabalho revelador que contém um relatório detalhado de suas experiências.

A Linguagem Matemática do Holograma 
Se as teorias que permitiram o desenvolvimento do holograma foram feitas pela primeira vez por Dennis Gabor - depois de ganhar o Prêmio Nobel por suas realizações - em 1947, a teoria de Pribram recebeu um suporte experimental mais persuasiva até mesmo no final dos anos sessenta e início dos setenta.
Quando Gabor concebeu a idéia de holografia, ele não estava pensando no laser. Ele visava melhorar o microscópio eletrônico que era um artefato primitivo e imperfeito até então. Gabor usou uma abordagem matemática e um tipo de cálculo inventado por um francês chamado Jean, no século XVIII BJ Fourier.
Fourier inventou o que era mais ou menos a forma matemática para converter qualquer padrão, no entanto, era complexo e em uma linguagem de ondas simples. Ele também mostrou como estas ondas poderiam ser transformadas de volta ao padrão original. Em outras palavras, como a câmera de televisão converte uma imagem em freqüências eletromagnéticas e a televisão transforma estas freqüências de volta para a imagem original, Fourier ensinou como fazer um processo semelhante usando a matemática.
As equações foram desenvolvidas para converter imagens em formas de onda novamente e as imagens ficaram conhecidas como "transformadas de Fourier".
As transformações de Fourier Gabor ajudaram a converter a imagem de um objeto em uma nuvem difusa de padrões de interferência sobre uma placa holográfica. Também permitiu-lhe descobrir como reconverter esses padrões de interferência na imagem original. Na verdade, o recurso especial do holograma do "todo em cada parte" é uma das conseqüências que ocorrem quando uma imagem ou padrão é traduzido para a língua de formas de onda de Fourier.
Durante o final dos anos sessenta e início dos anos setenta, os pesquisadores contatados para informar a Pribram de que haviam obtido provas de que o sistema visual funcionou como uma espécie de analisador de freqüências. E, como a freqüência é uma medida do número de oscilações que experimenta uma onda por segundo, passou a ser fortes indícios de que o cérebro poderia estar trabalhando como um holograma.
Mas até 1979 dois neurofisiologistas de Berkeley - Russell e Karen DeValois - fizeram a descoberta que resolveu o problema. Investigações da década de 1960 mostraram que cada uma das células do cérebro do córtex visual é programado para responder a um modelo diferente: algumas células do cérebro são ativadas quando os olhos veem uma linha horizontal, outras, quando os outros veem uma linha vertical, e assim por diante.
Por isso, muitos pesquisadores concluíram que o cérebro recebe informações a partir de células altamente especializadas, chamadas de "detectores de características" e se encaixa com o outro de alguma forma para fornecer a nossa percepção visual do mundo.
Apesar da popularidade alcançada, esta teoria DeValois, pensavam que era apenas uma verdade parcial. Para provar que sua suposição era verdade, eles usaram as transformadas de Fourier para converter modelos semelhantes a  tabuleiros de dama e quadros escoceses  em ondas simples. Em seguida, eles fizeram um teste para ver a resposta das células cerebrais no córtex visual de novas imagens em ondas.
Eles descobriram que as células do cérebro não respondem aos modelos originais, mas sim as traduções de Fourier do mesmo. Havia apenas uma conclusão: o cérebro usava a matemática de Fourier, o mesmo que a holografia usada para converter imagens visuais nas ondas da língua Fourier.
Subsequentemente, muitos laboratórios de todo o mundo têm confirmado a descoberta de DeValois; mas não forneceu prova categórica de que o cérebro era um holograma, havia provas suficientes para convencer Pribram de que sua teoria estava correta. Encorajados pela idéia de que o córtex visual não responde aos modelos, mas a frequência das diversas ondas, Pribram começou a reavaliar o papel frequentemente desempenhado pelos outros sentidos.
Não demorou muito para perceber que os cientistas do século XX tinham esquecido a importância deste papel. Mais de um século antes da descoberta do DeValois, fisiologista e físico alemão Hermann von Helmholtz, tinha mostrado que o ouvido foi um analisador de freqüências. Uma pesquisa recente revelou que o sentido do olfato parecia basear-se os chamados "frequências ósmicas."
O trabalho de Bekesy tinha mostrado claramente que a pele é sensível às freqüências vibratórias e até mesmo produz algumas indicações sobre uma possível intervenção de uma análise de frequência no sentido do paladar.
É interessante observar que Bekesy descobriu que as equações matemáticas que lhe permitiu prever a resposta de seus assuntos de teste de suas diferentes freqüências vibratórias que eram também gênero Fourier.

A dançarina como uma forma de onda

Mas talvez a descoberta mais surpreendente de todos que revelaram Pribram, foi feita pelo cientista russo Nikolai Bernstein:
Até nossos movimentos físicos podem ser codificados no cérebro numa língua Fourier de formas de ondas.
Na década de 1930, Bernstein vestiu várias pessoas com meias pretas e pintou manchas brancas nos ombros, joelhos e outras articulações. Então ele colocou contra um fundo preto e filmou as pessoas fazendo várias atividades físicas, tais como dançar, caminhar, saltar, bater com um martelo e de digitar em uma máquina.
Quando revelou o filme, apenas pontos brancos apareceram, movendo para cima e para baixo e através da tela em diferentes fluidos e movimentos complexos (ver Fig. 4). Para quantificar os resultados analisados ​​por Fourier, várias linhas traçadas por pontos  se tornou uma linguagem de formas de onda. Ele ficou surpreso ao descobrir que os movimentos ondulatórios continham padrões escondidos que lhe permitiram prever o próximo movimento em menos de uma polegada (2,54 cm).
Quando Pribram descobriu o trabalho de Bernstein, alertou as consequências imediatamente.
Pode ser que os padrões escondidos apareceriam após Bernstein ter considerado os movimentos segundo Fourier, porque foi assim eram armazenados os movimentos no cérebro. Era uma possibilidade empolgante porque se o cérebro analisa os movimentos fragmentando-os em componentes de freqüência, assim se explica a rapidez com que aprendemos muitas tarefas físicas complexas explicou.
Por exemplo, nós não aprendemos a andar de bicicleta memorizando completamente  todas as etapas mínimas do processo, mas sim compreedendo o movimento, o fluido em sua totalidade. Essa totalidade fluídica exemplifica a forma como aprendemos tantas atividades físicas, seria difícil entender se o cérebro armazenasse informações pouco a pouco.
No entanto, seria muito mais fácil de compreender se o cérebro analizasse estas tarefas e assimilasse como um todo, de acordo com Fourier. 
A FIGURA 4
O pesquisador russo Nikolai Bernstein pintou alguns pontos brancos  em alguns dançarinos e em seguida os filmou dançando contra um fundo preto.
Quando mudou os movimentos em uma linguagem de formas de onda,
descobriram que podiam analisar a matemática de Fourier,
o mesmo que Gabor tinha usado para inventar o holograma.

A reação da comunidade científica

Apesar de todos esses dados, o modelo holográfico de Pribram permanece extremamente controverso.
Parte do problema é que há muitas teorias populares sobre como o cérebro funciona e dados que lhes da apoio. Alguns pesquisadores acreditam que a memória é distribuída por todo o cérebro e que pode ser explicado com o fluxo e refluxo de vários produtos químicos cerebrais. Outros argumentam que as flutuações elétricas que ocorrem entre grandes grupos de neurônios, podem explicar a memória e aprendizagem.
Cada escola de pensamento tem defensores intransigentes e provavelmente não nos equivocaríamos se dissermos que os argumentos de Pribram ainda não convencem a maioria dos cientistas. 
Por exemplo, o neuropsicólogo Frank Wood da Bowman Gray School of Medicine de Winston-Salem (Carolina do Norte) que pensa que:
"Há muito poucos resultados experimentais sobre a holografia e é necessário melhor explicação."
Pribram, atordoado com tais afirmações de Wood, responde dizendo que tem atualmente um livro impresso com mais de 500 referências a esses dados.

Outros pesquisadores concordam com Pribram. 

Dr. Larry Dossey, ex-chefe da equipe de gestão da Medical City Dallas Hospital, admite que a teoria de Pribram contradiz muitas suposições antigas sobre o cérebro, mas observa que,
"Muitos especialistas sobre o funcionamento cerebral, são atraídos à idéia, embora inadequada e que resultam em evidentes concepções ortodoxas atuais."
O neurologista Richard Restak, autor da série de TV sobre o cérebro na PBS, concorda com Dossey. 
Adverte que, embora haja dados esmagadores mostrando que os poderes estão dispersos por todo o cérebro de uma forma holística, a maioria dos pesquisadores continuam a agarrar-se a idéia de que podem localizar no cérebro, da mesma forma que As cidades podem ser localizados em um mapa.
Em sua opinião, as teorias baseadas nesta premissa não são apenas "supersimplistas", mas, na verdade, atuam como "corsets conceituais" que nos impedem de reconhecer a verdadeira complexidade do cérebro. 
De acordo com ele,
"O holograma não é apenas possível, mas é provavelmente o melhor" modelo "da função cerebral que temos agora." 

Pribram encontra Bohm

No que diz respeito Pribram, na década de setenta ele tinha acumulado informações suficientes para convence-lo de que sua teoria estava correta. 
Além disso, ele tinha levado suas idéias para o laboratório e descobriu que os neurônios no córtex motor, respondiam seletivamente a uma gama limitada de freqüências, a descoberta  apoiou as suas conclusões. A questão que estava começando a preocupa-lo de que se a imagem da realidade que se forma no cérebro, não é uma imagem, mas sim um holograma, o que é um holograma?
O dilema colocado por esta questão seria como tirar uma foto com uma Polaroid de um grupo de pessoas sentadas em torno de uma mesa e averiguar, uma vez se a foto está revelada, de que em torno da mesa, em vez de pessoas, havia apenas Uma nuvem de padrões de interferência. Em ambos os casos, você pode, com razão perguntar: qual é a verdadeira realidade, o mundo aparentemente objetivo que experiencia o observador / fotógrafo ou padrões de interferência de nuvens borradas reunidos pela câmera / cérebro?
Pribram percebeu que, se o modelo holográfico do cérebro era à sua conclusão lógica, abria então uma porta para a possibilidade de que a realidade objetiva - o mundo das xícaras de café, a vista para a montanha, os olmos e candeeiros de mesa - poderíam sequer nem mesmo existir, ou, pelo menos, não existir da maneira que nós pensamos que existe.
Seria possível - ele perguntou - que era verdade o que os místicos têm dito há séculos, que a realidade é maya ( ilusão ) e que não aí fora há apenas uma onda imensa sinfonica de formas de onda, um "domínio de freqüência ", que se torna o mundo como nós o conhecemos, somente depois que experimentamos através dos sentidos?
Como ele percebeu que a solução que eu estava procurando pode estar fora de seu campo, ele foi em busca de um conselho. Ele recomendou examinar o trabalho de um especialista em física chamado David Bohm. 
Pribram quando o fez, ficou chocado: não só encontrou a resposta para sua pergunta, ele também aprendeu que, de acordo com Bohm, todo o universo é um holograma.

Tradução: Pri