Entendam

Deus não esta em templos, muros, placas, não! Ele esta dentro de você, NÃO somos pecadores desde que nascemos, isso é uma mentira, somos seres divinos e mágicos e temos essa essência masculina e feminina da fonte criadora dentro de cada um, não esta nas mãos de extraterrestres salvar o mundo, esta nas mãos dos seres que aqui habitam, o que eles podem fazer é auxiliar no processo, mas não virão aqui nos tomar pelas mãos como se fossemos bebês e nos DAR um planeta novinho em folha para destruirmos NOVAMENTE, ou aprendemos a tratar bem do nosso, ou seremos expulsos pela própria Terra.
Parem de buscar Deus em coisas materiais, se você não aprender a se respeitar, se amar, não vai encontrar Deus, vai se iludir, vai chorar, entrar em depressão e o pior não vai entender que a mudança começa de dentro para fora e que viver é um presente não um pecado ou castigo.
Como diria um anjo: "O amor é o sábio que nos guia" e como diria Gandhi " Não busque o caminho para a felicidade, a felicidade é o caminho."

Grande abraço a todos e Bem Vindos ao Life's Changing
Welcome - Bienvenido
Pri

DICA: ACESSEM AS ABAS "ARQUIVOS DO BLOG", TAMBÉM OS "MARCADORES" QUE ESTÃO do DO LADO DIREITO DA SUA TELA, AO LADO DA POSTAGEM
CLIQUE TAMBÉM EM "POSTAGENS POPULARES". TEM MUITA COISA SENDO POSTADA E QUE FICA PARA TRÁS SE VOCÊ NÃO SOUBER ONDE PROCURAR, ESTAS SÃO AS DICAS.
Bons estudos
Pri

Siga-nos por e-mail, a cada post novo, você recebe um e-mail

POSTS RECENTES

13 de março de 2015

PENTAGONO PROCURA POR UMA RAÇA IMORTAL - ORGANISMOS SINTÉTICOS

A ciência do Pentágono pode ter vindo com seu projeto mais radical.
DARPA está procurando reescrever as leis da evolução para a vantagem dos militares, criando "organismos sintéticos" que podem viver para sempre - ou podem ser mortos com o apertar de um botão molecular. 
Como parte do seu orçamento para o próximo ano, a DARPA está investindo 6 milhões dólares em um projeto chamado BioDesign, com o objetivo de eliminar,
"A aleatoriedade de avanço evolutivo natural."
O plano deverá reunir os mais recentes conhecimentos em biotecnologia a chegar a estas criaturas que são geneticamente modificadas,
"Produzir o efeito biológico pretendido."
DARPA quer que os organismos a serem enriquecidos com moléculas que reforçam a resistência das células da morte, de modo que os LAB-monstros possam,
"Em última análise ser programado para viver indefinidamente."
É claro que DARPA tem que evitar a super-espécies de ser seduzidos à fazer o trabalho do inimigo - então eles vão codificar uma lealdade de direito ao DNA, através do desenvolvimento de fechaduras geneticamente programadas para criar células "invioláveis".
Além disso, o organismo sintético será rastreável, usando algum tipo de manipulação de DNA, "semelhante a um número de série em uma arma. "
E se isso não funcionar, não se preocupe. No caso do plano da DARPA de alguma forma estiver horrivelmente errado, eles também estão jogando em um último recurso, "interruptor assassino" geneticamente codificados por:
Desenvolver estratégias para criar uma opção de organismo sintético de "auto-destruição", a ser implementado após a remoção de organismos nefastos.
O projeto vem como a DARPA que também planeja lançar 20.000 mil dólares para um novo programa de biologia sintética, e 7,5 milhões dólares em,
"Aumentar em várias décadas a velocidade com que nos seqüência, analisar e funcionalmente editar genomas celulares."
É claro que, se a DARPA estiver contra algumas leis vexatórias, fundamentais da natureza - não mencionar a bioética - então como eles embarcam em um programa de laboratório como este?
Primeiro, eles podem querer repensar a ideia da evolução como uma série aleatória de eventos, diz o professor de biologia NYU David Fitch.
"A evolução por seleção não é um processo aleatório em tudo, e é realmente um projeto de algoritmos extremamente eficiente usado extensivamente em computação e engenharia", e-mails, Danger Room.
Mesmo se a DARPA consegue superar a inteligência inerente dos processos evolutivos, vencendo a inevitável morte, isso pode ser complicado.
Basta perguntar a todas as outras equipes de pesquisa que tentaram de tudo, desde a fome de células à tratamentos hormonais. A terapia gênica, onde genes artificiais são inseridos em um organismo para aumentar a vida da célula, são o mais recente e maior em extensão de vida da ciência, mas eles só tem provado estender vida em 20 por cento em ratos. 
Mas suponhamos que a terapia genética faça grandes avanços, e a DARPA não consiga ter o direito a ciência evolutiva. Eles também terão um grande obstáculo ético à saltar.
Pesquisadores de biologia sintética já estão enfrentando as mesmas questões, como um resumo de 2009 a partir dos relatórios sintéticos de Biologia do projeto:
A preocupação de que os seres humanos possam estar ultrapassando o limite, quando criamos organismos que nunca antes existiram, pode ser um problema de segurança, mas também devolve-nos a divergências sobre o que é o nosso próprio papel no mundo natural (à um debate em grande parte, sobre os prejuízos não-físicos ou danos ao bem-estar).
Mesmo geneticistas moleculares especialistas não sabem o que fazer com o projeto.
Ou isso, ou eles estão com medo da DARPA poder ser um bio-robò.
"Gostaria muito de comentar, mas infelizmente DARPA tem instalado um "kill switch" ( interruptor de matar) em mim", disse um especialista sem nome da Danger Room. 
 Tradução: Pri
Fonte: http://www.bibliotecapleyades.net/ciencia/ciencia_artificialhumans33.htm