Entendam

Deus não esta em templos, muros, placas, não! Ele esta dentro de você, NÃO somos pecadores desde que nascemos, isso é uma mentira, somos seres divinos e mágicos e temos essa essência masculina e feminina da fonte criadora dentro de cada um, não esta nas mãos de extraterrestres salvar o mundo, esta nas mãos dos seres que aqui habitam, o que eles podem fazer é auxiliar no processo, mas não virão aqui nos tomar pelas mãos como se fossemos bebês e nos DAR um planeta novinho em folha para destruirmos NOVAMENTE, ou aprendemos a tratar bem do nosso, ou seremos expulsos pela própria Terra.
Parem de buscar Deus em coisas materiais, se você não aprender a se respeitar, se amar, não vai encontrar Deus, vai se iludir, vai chorar, entrar em depressão e o pior não vai entender que a mudança começa de dentro para fora e que viver é um presente não um pecado ou castigo.
Como diria um anjo: "O amor é o sábio que nos guia" e como diria Gandhi " Não busque o caminho para a felicidade, a felicidade é o caminho."

Grande abraço a todos e Bem Vindos ao Life's Changing
Welcome - Bienvenido
Pri

DICA: ACESSEM AS ABAS "ARQUIVOS DO BLOG", TAMBÉM OS "MARCADORES" QUE ESTÃO do DO LADO DIREITO DA SUA TELA, AO LADO DA POSTAGEM
CLIQUE TAMBÉM EM "POSTAGENS POPULARES". TEM MUITA COISA SENDO POSTADA E QUE FICA PARA TRÁS SE VOCÊ NÃO SOUBER ONDE PROCURAR, ESTAS SÃO AS DICAS.
Bons estudos
Pri

Siga-nos por e-mail, a cada post novo, você recebe um e-mail

POSTS RECENTES

3 de junho de 2012

Clube de Roma



 
Quem dizem ser


O Clube de Roma é uma entidade sem fins lucrativos, independente de quaisquer interesses políticos, ideológicos ou religiosos. Sua missão principal é "agir como um catalisador para a mudança global, através da identificação e análise dos problemas cruciais enfrentados pela humanidade e a comunicação de tais problemas para os líderes públicos e privados, bem como ao público em geral". Suas atividades devem "adotar uma abordagem global, com a consciência da crescente interdependência das nações". "Devem também, através do pensamento holístico, alcançar uma compreensão mais profunda da complexidade dos problemas contemporâneos e adotar uma perspectiva transdisciplinar e de longo prazo, focando as escolhas e políticas que determinarão o destino das gerações futuras".
As atividades do Clube são guiadas pela Assembléia Geral de seus membros, que se reúne uma vez por ano. A Assembleia Geral elege os membros de um pequeno comitê executivo, que supervisiona as atividades do Clube. Atualmente, o Clube tem dois co-presidentes, Dr. Ashok Khosla da Índia e do Dr. Eberhard von Koerber da Alemanha, e dois vice-presidentes, o professor Heitor Gurgulino de Souza do Brasil e Dr. Anders Wijkman da Suécia. O trabalho do Clube Internacional tem suporte de um pequeno secretariado em Winterthur, cantão de Zurique, na Suíça, sob a liderança de Ian Johnson, do Reino Unido.
O Clube surgiu em abril de 1968, quando um pequeno grupo internacional de profissionais das áreas da diplomacia, indústria e sociedade civil reuniram-se em uma casa tranquila em Roma. Convidados pelo industrial italiano Aurélio Peccei e pelo cientista escocês Alexander King, eles se encontraram para discutir sobre soluções de curto prazo para melhorar as relações internacionais e, em particular, sobre as questões relacionadas com o consumo desenfreado de recursos, em um mundo cada vez mais interdependente.
Cada um dos participantes da reunião concordou em passar o próximo ano sensibilizando os líderes mundiais e os principais tomadores de decisão, sobre as questões cruciais, pertinentes ao futuro global. Eles ofereceram uma abordagem nova e original e, ao fazê-lo, concentraram-se sobre as consequências, a longo prazo, da crescente interdependência global e esforçaram-se para entender como e por que isso estava acontecendo. O Clube de Roma havia nascido.
Em 1972, a organização ganhou uma nova reputação mundial, com o primeiro relatório do Clube de Roma: "Os Limites do Crescimento", encomendado por um grupo de cientistas, do Institute de Tecnologia de Massachusetts. O relatório explora uma série de cenários e salientou as opções que se abrem, para a sociedade conciliar o progresso sustentável com das limitações ambientais.
Os efeitos dessa publicação internacional, nos campos da política, economia e ciência é melhor descrito como um 'Big Bang': de um dia para o outro, o Clube de Roma havia demonstrado a contradição do crescimento ilimitado e irrestrito, no consumo de material de um mundo com recursos finitos e, de forma clara, trouxe o tema para o topo da agenda global.
Com o foco na visão de longo prazo e cenários provocativo, o relatório vendeu mais de 12 milhões de exemplares em cerca de 30 línguas em todo o mundo.
Baseado neste sucesso, o Clube de Roma cresceu, à medida que continuou a produzir relatórios sobre os problemas globais identificados. Particularmente, o objetivo de sensibilizar, a longo prazo, os líderes mundiais sobre a delicada interação entre o desenvolvimento econômico e humano e a fragilidade do planeta foi atingido, contribuindo para a criação dos Ministérios do Meio Ambiente, em numerosos países.
O Clube de Roma continuou o seu trabalho na década de noventa, centrando-se sobre questões importantes, como a governança global e a diversidade cultural. Relatórios, tais como 'A Capacidade de Governar' e 'Factor Four: Duplicação da riqueza - Reduzindo pela Metade a Utilização dos Recursos' e 'Sem Limites para a Aprendizagem' foram particularmente influentes durante esse período, apontando o caminho para as soluções.
No início do século 21, os problemas internacionais, como a crescente desigualdade global, as consequências das alterações climáticas e do uso excessivo dos recursos naturais têm provado que o Clube de Roma, e os seus pontos de vista estão plenamento corretos, o que reavivou o interesse em suas convicçoes: o consumo ilimitado e o crescimento, em um planeta com recursos limitados, não podem continuar para sempre, e é mesmo perigoso.
Informações extraídas do site oficial do Clube de Roma 'www.clubofrome.org'

Quem são


Uma conferência, sobre as condições da Ordem Mundial, foi realizada de 12-19 junho de 1965, na Villa Serbelloni em Bellagio, Itália, patrocinada pelo Congresso pela Liberdade da Cultura, com uma bolsa da Fundação Ford e da American Academy of Arts and Sciences. Um grupo de 21 estudiosos, escritores e cientistas, de todo o mundo, se reuniu para definir os conceitos de ordem mundial. Em um segmento do seu relatório, Helio Jaguaribe, um dos participantes, disse:

"O estabelecimento da ordem mundial não depende apenas de sua desejabilidade intrínseca e viabilidade, mas também do apoio de homens e grupos que decidam dedicar-se à realização de tal meta. Setores crescentes, das sociedades desenvolvidas e subdesenvolvidas, começam a perceber a necessidade urgente da ordem mundial, da viabilidade de sua criação, e do fato de que ela pode ser alcançada por meio da adoção de medidas que são razoáveis; por si só, nenhum dos governos será capaz de escapar da pressão pública, para restabelecer a ordem no mundo ...
Cabe aos intelectuais, desempenhar um papel decisivo na formação de grupos de pressão em favor da ordem mundial ... o estabelecimento da ordem mundial exige a mobilização de grupos dedicados à pressão internacional, para a implantação gradual dessa ordem mundial ... o estabelecimento negociado da ordem mundial é teoricamente possível e exequível, dado que, em última análise, os prováveis efeitos de uma convulsão nuclear a tornaram uma forma alternativa viável, para a solução pacífica dos problemas contemporâneos."
Três anos depois, em abril de 1968, um think-tank dos financistas, cientistas, economistas, políticos, chefes de estado e empresários de dez países diferentes, mais uma vez reuniram-se em uma propriedade privada dos Rockefeller, em Bellagio, Itália, a pedido do Aurelio Peccei, o industrial italiano que tinha laços estreitos com a Fiat e com a Corporação Olivetti. Ele alegou ter soluções para a paz e a prosperidade mundial, que poderiam ser conseguidos através de um governo mundial único. O Clube de Roma (COR) foi criado, então, com a participação de 75 renomados cientistas, empresários e economistas de 25 países, que junto com o Clube Bilderberg, tornou-se uma das mais importantes armas da política externa do grupo da Távola Redonda.
Muitos dos executivos do Clube de Roma foram retirados da OTAN. Através de Lord Carrington, eles foram capazes de dividir a OTAN em duas facções: um grupo político de esquerda, cuja doutrina foi formada com base no livro de Peccei 'Human Quality (Qualidade Humana)', e outro grupo, composto por sua antiga aliança militar.
A primeira conferência do Clube de Roma nos EUA ocorreu em 1969, quando foi criado o ramo norte-americano do clube: a "Associação Americana do Clube de Roma".
O primeiro livro do COR, intitulado Os Limites do Crescimento, foi publicado em 1972 e tratou do problema da superpopulação mundial. Ele afirmou que "se os padrões mundiais de consumo e crescimento da população continuarem com as mesmas taxas de alta da época, a Terra atingiria seus limites dentro de um século." O livro, que vendeu 12 milhões de cópias em 27 idiomas. Eis um trecho desse livro:
"Acreditamos no fato de que a necessidade de rapidamente se tornará evidente, de uma mudança social, coincidente com uma mudança técnica, de uma reforma radical das instituições e dos processos políticos em todos os níveis, incluindo a maior, a do sistema político mundial. E já que a iluminação intelectual não tem efeito, sem o apoio político, o Clube de Roma também vai incentivar a criação de um fórum mundial onde os estadistas, os políticos e os cientistas possam discutir os perigos e as esperanças para o futuro sistema global, sem as restrições das negociações intergovernamentais formais. "
Para a maior parte, o Clube de Roma (com sede em 193 Rissener Landstr. Em Hamburgo, Alemanha), funciona como um instituto de pesquisa sobre os problemas econômicos, políticos e sociais, e afirma que "não há outra alternativa viável para a sobrevivência futura da civilização, do que uma nova comunidade global sob uma liderança comum".
Em 17 de setembro de 1973, eles lançaram um relatório chamado "Regionalized and Adaptive Model of the Global World System (Modelo Regionalizado e Adaptativo do Sistema Mundial Global)", que foi elaborado pelos diretores Mihajlo Mesarovic e Eduard Pestel, como parte da "Projeto Estratégico para a Sobrevivência". Ele revelou o objetivo do Clube de dividir o mundo em dez político-regiões económicas ... que uniria todo o mundo sob uma única forma de governo. Estas regiões são: América do Norte, Europa Ocidental, Europa Oriental, Japão, Resto do Mundo Desenvolvido, América Latina, Oriente Médio e resto da África, Sul e Sudeste Asiático e China. O mesmo plano foi publicado em um livro do Clube de Roma intitulado "Mankind at the Turning Point", que disse:
"A solução para essas crises pode ser desenvolvida apenas em um contexto global, com o reconhecimento pleno e explícito do sistema mundial emergente e em uma base de longo prazo. Isso implicaria, entre outras mudanças, na criação de uma nova ordem econômica mundial e de um sistema global de alocação de recursos ... "
Durante o governo Carter, uma força-tarefa foi criada para expandir o presente relatório, e em 24 de julho de 1980, um documento, em dois volumes, chamado "Relatório Global 2000", que tinha sido escrito pelo ex-secretário de Estado Cyrus R. Vance, foi apresentado ao presidente Carter e, em seguida, ao secretário de Estado Edward S. Muskie. O relatório cita as tendências econômicas globais, para os próximos 20 anos, e indica que os recursos do planeta não serão suficientes para suportar o aumento dramático da população mundial. O relatório pede para que a população dos EUA seja reduzida em 100 milhões de pessoas até o ano 2050.
Howard T. Odum, um biólogo marinho da Universidade da Flórida, que é membro do Clube de Roma, foi citado em agosto de 1980, na revista Fusion, como dizendo: "É necessário que os Estados Unidos cortem dois terços de sua população, nos próximos 50 anos ". Ele não disse como isso seria feito.
Cerca de seis meses depois, o Conselho de Qualidade Ambiental fez recomendações com base no relatório, sob o título "Futuro Global:. Um tempo para agir" Eles sugeriram a criação de um agressivo programa de controle populacional que incluiria a contracepção, esterilização e aborto. Em agosto de 1982, a 'Executive Intelligence Review' publicou um relatório denominado "Global 2000: Blueprint for Genocide", que disse que os dois relatórios presidenciais mencionados:
"... São corretamente entendidas como declarações de intenções políticas, o objetivo de certas organizações, como o Conselho de Relações Internacionais (CFR), a Comissão Trilateral e o Fundo Monetário Internacional e o de desenvolver políticas, que irão resultar não só na morte dos 120 milhões citados nos relatórios, mas na morte de mais de dois bilhões de pessoas, até o ano 2000. "
Peccei escreveu (com base num relatório do membro do Clube de Roma, Harland Cleveland, o embaixador dos EUA na OTAN, que acreditava que os países do Terceiro Mundo deviam decidir por si mesmos, quem deveria ser eliminado):
"Danificado por políticas conflitantes, dos três principais países e blocos, aproximadamente remendada aqui e ali, a ordem internacional econômica existente está visivelmente desmoronando pelas costuras ... A perspectiva de que a necessidade de triagem do recurso, decidirá quem deverá ser salvo, é uma forma muito desagradável mesmo. Mas, se, lamentavelmente, os eventos nos levarem a tal ponto, o direito de fazer tais decisões não pode ser deixado apenas para algumas nações. "
Em todo o mundo, o Clube de Roma declarou que o genocídio deve ser usado para eliminar as pessoas que eles se referem como "comedores inúteis". Isto seria feito usando guerras limitadas nos países avançados, e até mesmo um conflito nuclear limitado, em uma localização estratégica, bem como através de fome fome e doenças criadas em países do Terceiro Mundo.
Na novela de 1976, 'Ceremony of the Innocent', de Taylor Caldwell, ela efetivamente explica a lógica por trás de suas ações:
"... Não haverá paz no mundo atormentado, apenas uma série programada e sistemática das guerras e calamidades, até que os conspiradores consigam seu objetivo: um mundo exausto, disposto a se submeter a uma economia planificada marxista e à escravização total, em nome da paz ".
Informações extraídas do site 'www.modernhistoryproject.org'